FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Associação muçulmana do Rio expulsou acusado de promover Estado Islâmico

Segundo a Sociedade Beneficente Muçulmana (SBM) do Rio, Welington Moreira de Carvalho, um dos brasileiros acusados de promover o Estado Islâmico no País, foi expulso por ter apresentando comportamento violento

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2018 | 23h33

Welington Moreira de Carvalho, um dos brasileiros acusados de promover o Estado Islâmico no País, foi expulso da Sociedade Beneficente Muçulmana (SBM) do Rio por ter apresentando comportamento violento, “em 2004 ou 2005”, segundo o presidente da associação, Mohamed Abdien.

+ MPF acusa 11 brasileiros de promover Estado Islâmico e recrutar jihadistas

+ Denúncia de brasileiros do EI mostra plano de atentado no carnaval

Carvalho incitou membros da comunidade a apedrejar o prédio do Consulado dos EUA, no centro da cidade. Abdien contou ainda que, durante uma ação de distribuição de comida a um grupo de sem-teto, Carvalho sugeriu que os alimentos fossem envenenados.

“Convoquei uma assembleia geral, que decidiu pela expulsão. O comportamento dele era agressivo e violento. Chegou ao cúmulo de ele se opor à distribuição de pão, sopa e água, sugerindo que a gente colocasse veneno na comida”, lembra Abdien, egípcio naturalizado brasileiro. “Ele se comportava completamente fora do que a religião orienta. Pedi a expulsão e todos concordaram. A gente não aceita violência.”

+ Brasileiro é condenado na Espanha por fazer parte de grupo terrorista

Na época dos incidentes, ainda não havia a Mesquita da Luz, aberta em 2009, entre os bairros da Tijuca e de Vila Isabel, e as orações eram feitas numa sala na Lapa. Wellington, conhecido como Leco, era assíduo. “Eu chamava a atenção e não adiantava. Ele tentou voltar uma ou duas vezes, mas não entrou. Depois, nunca mais apareceu”, contou Abdien.

O presidente da SBM não soube avaliar se Leco seria capaz de formar uma célula terrorista no Brasil. “Eu não posso julgar, faz 13 ou 14 anos que não vejo. Eu achava que ele dizia as coisas sem pensar. Mas uma pessoa correta, virtuosa, não fala assim quando estamos fazendo um gesto de caridade, ainda mais na frente de pessoas que estavam recebendo comida.”

+ Abin confirma ameaça do EI ao Brasil e amplia monitoramento de suspeitos 

Na Lapa, segundo Abdien, Leco era acompanhado de dois homens que também acabaram expulsos. Um deles costumava se gabar de ter sido treinado por terroristas em países como Afeganistão e Paquistão. Abdien disse que chegou a denunciá-lo à Polícia Federal. Leco frequentou também uma mussala (sala de orações) no centro do Rio, que não tem ligação com a mesquita. O Estado esteve no local nesta quinta-feira, 17, mas foi avisado de que a sala só abriria para as orações de sexta-feira, 18. / COLABOROU MARCIO DOLZAN

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.