Associação Mundial de Medicina adia encontro

A Associação Mundial de Medicina, que reúne médicos de todo o planeta, adiou por tempo indeterminado a realização de sua assembléia anual em Nova Délhi na Índia, marcada para o início de outubro. O secretário-geral da Associação Médica Americana, Delon Human, disse que a organização, ao lado de suas congêneres - entre outras, as do Japão e da Coréia do Sul - foram advertidas por seus governos de que não era seguro viajar em grande número."Está ficando cada vez mais evidente que pode haver uma guerra naquela região", disse Human. O encontro em Nova Délhi, entre 3 e 7 de outubro, destinava-se ao debate de temas como doenças transmissíveis, aborto, direitos humanos e ética médica. Era esperada a participação de pelo menos 800 profissionais nos debates."Este adiamento terá um forte impacto em nossa luta global em torno de questões médicas. Estamos profundamente desapontados com essa alteração de planos por causa de uma ação terrorista", declarou Human por telefone. O dirigente disse que várias associações médicas nacionais propuseram manter a assembléia em sinal de reprovação ao terrorismo, mas tiveram de mudar de idéia diante das considerações sobre segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.