Astro da BBC cometeu mais de 200 crimes, incluindo 34 estupros

Relatório da polícia diz que entre as vítimas de Jimmy Savile, estrela da TV nos anos 70, está uma criança de 8 anos

LONDRES , O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2013 | 02h04

A polícia de Londres divulgou ontem o resultado de um inquérito que aponta que Jimmy Savile, famoso apresentador de TV britânico morto em 2011, abusou fisicamente de centenas de pessoas por seis décadas. A maioria das vítimas dos 214 crimes listados pelos investigadores eram menores de idade, entre elas uma criança de 8 anos. O relatório afirma que Savile realizava as agressões no prédio da BBC e em hospitais onde fazia trabalho voluntário.

Entre suas vítimas, 73% eram menores de 18 anos, a maioria tinha entre 13 e 16 anos e 82% eram mulheres. A maior parte dos crimes ocorreu entre 1966 e 1976, no auge da carreira do apresentador. "As marcas das agressões de Savile eram vastas, predatórias e oportunistas", afirmou o comandante Peter Spindler, que reconheceu, pela primeira vez, que o apresentador poderia ter sido indiciado antes de morrer, o que teria sido uma falha da promotoria.

Savile foi uma das maiores estrelas da BBC nos anos 70 e 80 e recebeu o título de cavaleiro da rainha Elizabeth II e foi condecorado pelo papa João Paulo II por seu trabalho de caridade. De acordo com o relatório divulgado ontem, ele utilizou sua imagem e seu status de celebridade para ter acesso a crianças vulneráveis e cometer os 214 crimes sexuais listados, incluindo 34 estupros, por toda a Grã-Bretanha.

Detetives iniciaram uma investigação três meses atrás após acusações sobre o comportamento abusivo de Savile feitas em um documentário de TV. A primeira ocorrência foi em 1955, em Manchester, no norte do país. A último foi em 2009.

O escândalo causou uma das mais graves crises da história da BBC, rede de TV pública britânica, afetando a imagem do então diretor-geral, George Entwistle, que pediu demissão após 54 dias no cargo, e de seu antecessor, Mark Thompson, que assumiu o posto de presidente e diretor executivo da New York Times Co., em outubro.

Quando Thompson dirigia a BBC, uma reportagem investigativa sobre o ex-apresentador conduzida pelo programa Newsnight, da mesma emissora, foi cancelada semanas antes da transmissão de um tributo a Savile. Logo depois, uma emissora concorrente, a ITV, levou ao ar sua própria investigação sobre Savile, o que despertou uma onda de novas acusações contra o apresentador. A BBC nega ter acobertado o caso e alega razões editoriais para o cancelamento da reportagem. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.