Astro do Bolshoi é atacado no rosto com ácido na Rússia

Polícia suspeita de que crime pode ter tido motivação profissional; bailarino corre o risco de perder a visão

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2013 | 02h06

Um homem mascarado atacou ontem em Moscou com ácido o diretor artístico do Balé Bolshoi, Sergei Filin. O bailarino teve queimaduras de terceiro grau no rosto e corre o risco de perder a visão. O ataque foi precedido por uma série de ameaças anônimos a Filin, que aos 42 anos é um dos principais bailarinos do mundo.

A polícia ainda não descarta a hipótese de roubo, mas a principal suspeita é a de que Filin foi atacado em razão de seu trabalho, informou a agência russa Interfax. O bailarino, segundo investigações preliminares, pode ter sido vítima de "inveja profissional".

Dançarinos mantiveram uma vigília em frente ao hospital no qual Filin está internado. Nas últimas semanas, o carro do bailarino teve os pneus furados e ele teve seus sigilos telefônicos e de e-mail violados. Sua correspondência também foi aberta, disse a polícia.

Um parente chegou a oferecer um guarda-costas para o bailarino, mas ele rejeitou a ajuda. "Ele não acreditava que as ameaças chegariam à violência física", disse a assistente de Filin, Dilvara Timergazina. "As ameaças mostram que quem estava por trás delas não tinha um pensamento conceitual avançado. Eram primitivas. Cheias de ódio."

A porta-voz do Balé Bolshoi, aterina Novikova, disse que o ataque ocorreu enquanto o bailarino abria o portão de sua casa. Um homem mascarado o chamou e jogou o conteúdo de uma garrafa em seu rosto. Filin deve ser transferido para receber tratamento em outro país, provavelmente Alemanha ou Israel. O processo de recuperação pode levar seis meses.

O Balé Bolshoi é conhecido por intrigas e emoções exacerbadas. "Ele era alvo constante de ameaça, assim como seus antecessores", reconheceu Katerina. "Mas nunca pensamos que essa guerra de papéis pudesse culminar num crime." / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.