Astronautas dos EUA estão prontos para voltar à Terra

Com sua missão quase completa, os astronautas do ônibus espacial Discovery verificaram hoje os sistemas de voo da nave para assegurar um retorno seguro à Terra. O Discovery e seus sete tripulantes devem chegar na tarde de amanhã, encerrando uma missão de duas semanas que instalou um novo conjunto de painéis solares na estação espacial internacional. A expectativa é de tempo bom durante a aterrissagem.

AE-AP, Agencia Estado

27 de março de 2009 | 19h46

"Nós manteremos nossos dedos cruzados", disse o comandante da aeronave, Lee Archambault. Os astronautas fizeram a verificação de acordo com uma lista de pré-aterrissagem. O Discovery teve de deixar a estação espacial na quarta-feira para que a nave russa Soyuz possa atracar amanhã. A Soyuz leva uma nova tripulação para a estação espacial.

Eles também disseram "aloha" aos estudantes de uma escola em Honolulu, onde o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, estudou 30 anos atrás. O astronauta Richard Arnold II, um ex-professor, disse aos estudantes que era gratificante ver a estação espacial depois de todo o trabalho. "Nós vimos os painéis solares que instalamos se abrindo." O astronauta John Phillips acrescentou: "Estamos todos muito orgulhosos por trazer energia extra para a estação".

A nova carga de energia na estação é necessária para a realização de experimentos científicos que devem ser realizados assim que a tripulação local dobrar de três para seis astronautas, o que deve acontecer na primavera (boreal). Um novo tripulante foi levado pelo Discovery, um astronauta japonês que substituiu Sandra Magnus. Ela volta para casa depois de quatro meses e meio em órbita.

Teste

Durante a reentrada, o Discovery vai testar uma placa térmica que propositadamente apresenta um defeito. A placa tem uma protuberância. A Agência Espacial Norte-americana (Nasa, na sigla em inglês) quer medir a quantidade de perturbação no fluxo de ar hipersônico sobre a protuberância de um quarto de polegada e determinar a quantidade de aquecimento. A placa experimental, colocada sob a asa esquerda, será exposta a uma temperatura de quase 1.649ºC durante a descida.

Segundo a Nasa, as placas nesta área têm espessura de 7,6 centímetros e a agência não está preocupada sobre possíveis danos na fuselagem. Um problema na asa esquerda provocou a destruição do ônibus espacial Columbia em 2003 e a morte de todos os sete astronautas. Um avião da Aeronáutica vai voar por baixo do Discovery quando o ônibus espacial estiver se dirigindo para o Golfo do México, a caminho da Flórida, e irá monitorar o calor na traseira da nave com uma câmera infravermelha. Este novo tipo de placa foi desenvolvido como um possível melhoramento para ônibus espaciais, que devem ser aposentados até o final do ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.