Ataque a bomba mata 14 pessoas no nordeste da Índia

Pelo menos 14 pessoas foram mortas e quase 40 ficaram feridas na explosão de uma poderosa bomba na terça-feira, no nordeste da Índia, informou a polícia. Acredita-se que a bomba tenha sido escondida em uma bicicleta perto de um comando policial de alta segurança em Imphal, capital do Estado de Manipur. Ao explodir, a bomba matou duas pessoas no local. "Ainda temos de identificar os mortos e não temos certeza se algum policial está entre os mortos", disse Radheshuam, importante autoridade policial. As autoridades policiais presentes no local disseram que vários membros e outras partes de corpos foram vistas fora das instalações policiais. As forças de segurança isolaram a área e especialistas em bombas recolheram pedaços de metal para examiná-los, enquanto os policiais tentavam manter os curiosos longe, segundo a polícia. O ataque é o mais letal da história recente de Imphal. Os rebeldes frequentemente escolhem como alvo áreas residenciais bastante fortificadas onde moram ministros e autoridades importantes e o meio utilizado geralmente são bombas ou granadas, disse Radheshuam. "A explosão causou pânico na cidade e, pela primeira vez, houve várias mortes de civis", disse Prem Singh, morador local, à Reuters, por telefone. Nenhum grupo separatista assumiu a responsabilidade pela explosão, mas a polícia suspeita que o Partido Revolucionário do Povo de Kangleipak (Prepak) tenha sido o responsável. No domingo, uma granada explodiu perto da casa do ministro-chefe Okram Ibobi Singh, mas não houve mortos. Um porta-voz do Prepak, que atacou a casa do ministro na semana passada, disse na terça-feira que o grupo também é responsábel pelo ataque de domingo. O nordeste da Índia, que tem oito Estados, tem vários grupos separatistas que empreenderam insurgências nos últimos 60 anos. A área é lar de mais de 200 tribos e grupos étnicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.