Ataque à casa do premiê afeta cessar-fogo palestino

Ação de desconhecidos ameaça trégua acertada no sábado entre Hamas e Fatah

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

Um ataque à casa do primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, interrompeu a trégua selada entre o Hamas e o Fatah na noite de sábado.Após o novo cessar-fogo mediado por funcionários egípcios em Gaza, Haniyeh havia exortado às milícias que abandonassem as ruas da Cidade de Gaza para permitir que estudantes pudessem prestar exames em escolas nesta segunda-feira, 11.No entanto, apesar desse apelo, testemunhas relatam que milicianos armados impediram o livre trânsito de várias pessoas, e que alguns franco-atiradores continuavam nos telhados, presságio da frágil situação.Horas depois do acordo de cessar-fogo foi registrado um ataque de desconhecidos contra quatro guarda-costas da casa de Haniyeh, no campo de refugiados palestinos de Shati, às margens do Mediterrâneo, informaram fontes palestinas e policiais.O domingo foi marcado pela violência em Gaza, onde três pessoas morreram, entre elas um imã, e outras 12 ficaram feridas.O imã Ahmad Raafati foi baleado na cabeça em sua residência por milicianos do Fatah, que vingavam o assassinato de Mohammed Sawirky, membro da guarda do presidente palestino, Mahmoud Abbas.Milicianos do Hamas torturaram Sawirky, de 25 anos, e o atiraram do alto de um prédio de 15 andares.Segundo a rádio pública israelense, desde que o Hamas assumiu o poder, após as eleições de janeiro de 2006, mais de 200 mil palestinos abandonaram Gaza e a Cisjordânia, a maioria com destino ao Egito e à Jordânia.Além da violência entre as facções palestinas, milicianos da Jihad Islâmica - que atua como mediadora entre Fatah e Hamas - dispararam esta manhã, pela primeira vez nos últimos três dias, cinco de seus foguetes Qassam contra o sul de Israel. Não foram registradas conseqüências.Na Cisjordânia, o Exército israelense deteve nesta madrugada em outra de suas batidas noturnas 21 palestinos, em sua maioria militantes do Hamas, segundo fontes militares.

Mais conteúdo sobre:
Ismail HaniyehFatahHamasIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.