EFE/Mutalib Sultani
EFE/Mutalib Sultani

Ataque a consulado da Alemanha no Afeganistão por militantes taleban deixa seis mortos

Rebeldes atingiram o muro externo do local com um caminhão-bomba e enfrentaram as forças de segurança; explosão de homem-bomba causou grandes danos ao edifício

O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2016 | 14h47

MAZAR-E SHARIF, AFEGANISTÃO - Militantes taleban invadiram o consulado da Alemanha em Mazar-E Sharif, cidade do norte do Afeganistão, atingindo o muro externo do local com um caminhão-bomba e enfrentando forças de segurança em um ataque no fim da noite de quinta-feira. O ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, confirmou que seis pessoas morreram na ação.

A explosão, realizada por um homem-bomba, causou grandes danos no edifício e estilhaçou janelas a até 5 km de distância, disse um porta-voz da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Um médico local disse que a detonação e a troca de tiros subsequente feriram 120 pessoas.

Nenhum funcionário consular está entre as vítimas, mas Steinmeier disse que seu país irá rever seu papel na missão internacional atuando no norte afegão, onde a violência cresceu acentuadamente ao longo de 2016.

O ataque de quinta-feira também enfatiza um dos desafios de política externa mais difíceis que o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, irá enfrentar quando assumir em janeiro. A maior parte das operações de combate dos americanos contra os taleban terminou em 2014, mas milhares de soldados continuam no Afeganistão como parte da missão Apoio Resoluto, conduzida pela Otan.

Os taleban comunicaram que o atentado foi uma retaliação aos ataques aéreos da Otan contra um vilarejo próximo de Kunduz, cidade do norte do país, na semana passada que matou mais de 30 pessoas, sendo muitas delas crianças.

Combatentes fortemente armados, incluindo homens-bomba, foram enviados "com a missão de destruir o consulado-geral alemão e matar quem quer que encontrassem ali", disse o porta-voz do movimento islâmico militante, Zabihullah Mujahid, por telefone. /REUTERS e ASSOCIATED PRESS

Para entender

O movimento islâmico dos taleban se provou ser uma força de luta poderosa no Afeganistão e uma grande ameaça ao governo. O grupo já ameaçou desestabilizar o Paquistão, onde eles têm controlado áreas no noroeste do país nos últimos anos. Apesar da ofensiva militar contra o grupo desde 2014, eles continuam elaborando frequentes atentados suicidas e outros ataques.

Segundo a rede britânica BBC, muitos analistas acreditam agora que a paz no Afeganistão pode vir apenas se o governo em Cabul negociar com os taleban. O anúncio dos planos do grupo de abrir um escritório em Catar em junho de 2013 foi visto como um passo positivo nas negociações, mas a desconfiança de ambos os lados permanece alta.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaAfeganistãoConsuladoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.