AFP PHOTO / Damien MEYER
AFP PHOTO / Damien MEYER

Jovem que cometeu ataque em escola da França era fascinado por massacres

Estudante, que também tinha fascínio por armas, segundo autoridades, enaltecia o atentado de 1999 ao colégio de Columbine, nos EUA

O Estado de S.Paulo

16 de março de 2017 | 09h45
Atualizado 16 de março de 2017 | 18h14

PARIS - O ataque a uma escola de ensino médio na pequena cidade francesa de Grasse, no sul do país, que deixou várias pessoas feridas nesta quinta-feira, 16, foi "um ato insano de um jovem frágil e fascinado por armas de fogo", afirmou a ministra da Educação, Najat Vallaud-Belkacem, após visitar o local.

Pouco antes, o presidente François Hollande tinha descartado o caráter terrorista do ato que, segundo Najat, deixou quatro feridos e exigiu o atendimento de outras 10 pessoas afetadas psicologicamente ou ligeiramente machucadas por empurrões durante o momento de pânico causado.

A ministra também considerou "heroica" a atuação do diretor do colégio, que "se jogou sobre o aluno e teve o braço ferido com um tiro".

Najat declarou que todos os feridos se encontram bem e felicitou as forças da ordem por sua atuação "instantânea", que permitiu a detenção "muito rápida" do jovem. Trata-se de um aluno de 17 anos que cursava o primeiro ano do colegial no centro e cuja família é conhecida na cidade, segundo o prefeito de Grasse, Jérôme Viaud.

O perfil do jovem no Facebook mostra sua fascinação pelos massacres maciços, como o que aconteceu na cidade americana de Columbine que deixou 13 mortos em um colégio em 1999.

A ministra da Educação assegurou que a investigação judicial aberta "deverá determinar se o autor contava com algum cúmplice e quais puderam ser as motivações de seus atos".

Por sua parte, o presidente da região Provence-Alpes-Costa Azul, Christian Estrosi, afirmou que tinha falado com o diretor do centro e que este se encontrava bem. "Ele me disse que lhe alertaram da presença do aluno e ele tentou interpor-se para acalmá-lo, mas não conseguiu", relatou aos veículos de comunicação no local.

Segundo várias testemunhas, o aluno efetuou quatro disparos com um fuzil, uma das armas que levava junto a uma pistola, um revólver e duas granadas. O ataque aconteceu por volta das 13 horas (9 horas de Brasília), quando boa parte dos alunos estava no refeitório do colégio. Os disparos provocaram correria e pânico, o que fez com que várias pessoas se ferissem.

Em um primeiro momento se suspeitava que podia haver um cúmplice, razão pela qual se ativou o alerta de atentado, o estabelecimento foi esvaziado e nos demais centros educativos de Grasse os alunos e membros do corpo docente foram confinados como medida de precaução.

Os ataques a tiros em escolas não são comuns na França, país que continua sob estado de emergência desde que uma série de ataques terroristas coordenados em Paris e Saint-Denis, em novembro de 2015, deixaram 130 e mais de 400 feridos. / EFE, REUTERS e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
PARISFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.