MOHAMED ABDIWAHAB/AFP
MOHAMED ABDIWAHAB/AFP

Ataque terrorista a hotel deixa ao menos nove mortos na Somália

Grupo extremista islâmico Al-Shabab assumiu a autoria do ataque

O ESTADO DE S. PAULO

01 de novembro de 2015 | 10h27

Extremistas islâmicos da Somália atacaram o hotel Sahafi no amanhecer deste domingo na capital Mogadishu, matando pelo menos nove pessoas e ferindo 10. Seguranças só conseguiram parar o ataque do Al-Shabab por volta do meio dia.

O ataque começou quando um homem bomba detonou um veículo carregado de explosivos nos portões do hotel. Os atiradores entraram no local e começaram a atirar nas pessoas. De acordo com a polícia, os terroristas mataram o dono do hotel, um ex-general militar e outros oficiais.

O Al-Shabab assumiu a responsabilidade do ataque na estação de rádio do grupo terrorista e, segundo o porta-voz, Sheikh Abdiaziz Abu-Musab, os combatentes se infiltraram no hotel. O hotel Sahafi é comumente frequentado por oficiais do governo da Somália e já havia sido atacado em 2009, quando dois conselheiros de segurança franceses foram sequestrados dentro do hotel por militantes.

Apesar de já ter sido expulso de Mogadishu e de várias outras cidades na Somália, o Al-Shabab continua promovendo ataques letais na capital e em outros lugares. O grupo luta para expulsar o governo de Mogadishu e instalar uma versão bastante rígida da Sharia, sistema de leis religiosas desenvolvido por estudiosos muçulmanos, e ainda em vigor entre os fundamentalistas.

Vítimas. O fotógrafo Feisal Omar estava no local e ficou ferido no atentado. "Eu estava na cena da explosão, tirando fotos, quando um veículo cheio de bombas explodiu atrás de mim. Eu caí no chão e vi uma parte do meu corpo sangrando. Eu estava com outro jornalista, que acabou morrendo no ataque", conta./AP

Mais conteúdo sobre:
Somáliaataque terrorista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.