Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Ataque a hotel na Tunísia deixa 37 mortos, diz governo

De acordo com Ministério do Interior, as vítimas - incluindo estrangeiros - foram alvo de atentado em hotel em Sousse

O Estado de S. Paulo

26 de junho de 2015 | 09h46

(Atualizada às 16h18) TÚNIS - Pelo menos 37 pessoas, incluindo turistas estrangeiros, morreram depois de ao menos um atirador abrir fogo em uma faixa de praia de um resort no balneário tunisiano de Sousse, informou um porta-voz do Ministério do Interior nesta sexta-feira, 26.

A polícia ainda está analisando o local do ataque, nas imediações do Hotel Imperial Marhaba, de acordo com um fonte que participa das investigações ouvida pela Reuters. Ao menos um atirador foi morto na troca de tiros com as forças de segurança - ele utilizava um rifle Kalashnikov.

"Um homem abriu fogo com um rifle Kalashnikov contra turistas estrangeiros e tunisianos que estavam na faixa de praia", disse um funcionário do hotel ouvido pela Reuters. "Era apenas um atirador. Ele era jovem usando uma bermuda como se ele também fosse um turista." Ao jornal espanhol El País, funcionários Imperial Marhaba confirmaram o ataque na praia, mas disseram que não houve troca de tiros no interior do hotel.

Outras fontes dizem, porém, que o ataque também pode ter atingido turistas que estavam na faixa de praia do hotel Muradi Palm Marinay, vizinho ao Imperial Marhaba. Além disso, a Associated Press, citando um porta-voz do Ministério do Interior, afirma que uma operação em busca de um segundo suspeito está em andamento.

Até o momento, nenhum grupo extremista assumiu a autoria do ataque.

Pelo menos outras seis pessoas ficaram feridas e foram levadas para um hospital regional. Segundo fontes que participam das investigações, "ainda não se estabeleceu a identificação das vítimas nem suas nacionalidades".

Por telefone, uma turista que estava no hotel contou à agência EFE detalhes da ação. "Nós conseguimos sair correndo e nos escondemos no quarto. Íamos descer para a rua e ouvimos gritos e avisos pelo circuito interno de áudio", afirmou a testemunha do ataque que pediu para não ser identificada.

Sousse é um dos balneários turísticos mais populares da Tunísia, atraindo visitantes da Europa e de países vizinhos do norte africano.

A Tunísia está em alerta desde março, quando atiradores militantes islâmicos atacaram o Museu Nacional do Bardo, em Túnis, matando 22 turistas estrangeiros em um dos piores ataques em um década no país. / REUTERS, AP, EFE e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
TerrorismoTunísia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.