Ataque a igrejas na Nigéria deixa dezenas de mortos

Supostos extremistas islâmicos puseram fogo em quatro igrejas do vilarejo nigeriano de Kwada e balearam fiéis, causando a morte de dezenas de pessoas, segundo relatos de testemunhas. O ataque ocorreu a poucos quilômetros da cidade de Chibok, onde 219 estudantes foram sequestradas pelo grupo militante islâmico Boko Haram.

Agência Estado

29 de junho de 2014 | 13h22

Um sobrevivente, que escapou para Chibok, contou à Associated Press que os agressores seguiram para o vilarejo vizinho de Kautikari, onde também balearam residentes e queimaram casas. Ainda não há detalhes sobre o número de mortos em Kautikari.

Um porta-voz da polícia disse que não poderia confirmar os ataques porque problemas de comunicações impedem contatos telefônicos com o posto de segurança mais próximo, em Chibok.

Os extremistas exigem a libertação de combatentes detidos em troca pelas estudantes. O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, tem sido criticado pela reação lenta ao sequestro e por não ter garantido o rápido resgate das garotas. Os Estados Unidos têm aviões não tripulados (drones) sobrevoando a região para tentar localizar as garotas e outros países enviaram especialistas para ajudar o governo nigeriano, mas as negociações estão aparentemente paralisadas.

O Boko Haram quer impor o estabelecimento de um Estado islâmico na Nigéria, que tem a maior economia, é o maior produtor de petróleo e conta também com a maior população (de 170 milhões de pessoas) na África. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Nigériaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.