Ataque a mesquita em área militar mata 35 no Paquistão

Pelo menos 70 pessoas ficaram feridas em atentado em região de quartéis em Rawalpindi, perto da capital

estadao.com.br,

04 de dezembro de 2009 | 09h01

Pelo menos 35 pessoas morreram nesta sexta-feira, 4, e outras 70 ficaram feridas em um ataque de militantes armados e homens-bomba em uma mesquita nos arredores de um quartel do Exército do Paquistão na cidade de Rawalpindi, próxima da capital Islamabad.

 

Homens armados invadiram o templo durante as tradicionais orações islâmicas de sexta-feira depois de terem provocado uma explosão em um posto de controle militar em Rawalpindi, cidade irmã da capital paquistanesa onde se encontra a sede do Estado Maior das Forças Armadas e vários quartéis onde vivem militares e suas famílias.

 

Segundo o ministro do Interior paquistanês, Rehman Malik, dois homens-bomba entraram na mesquita, cujo teto desmoronou após o ataque. O templo é bastante frequentado por militares. Houve troca de tiros após as explosões. Helicópteros sobrevoaram a cidade em busca dos militantes que teriam fugido para os arredores.

 

Em 10 de outubro, um comando formado por dez terroristas protagonizou um ataque de mais de 20 horas de duração, com reféns, ao quartel-general do Exército em Rawalpindi. Neste ataque, 13 membros das forças de segurança e nove terroristas morreram.

 

Pouco depois, o governo ordenou que o Exército lançasse uma operação em grande escala na região tribal do Waziristão do Sul, considerada o principal reduto da insurgência taleban no Paquistão. Nos últimos dois meses, o Paquistão registrou uma onda de violência, com cerca de 30 atentados que causaram a morte de mais de 500 pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.