Ataque a mesquita mata 50 no Paquistão

Atentado ocorre antes de discurso de Obama sobre conflito afegão

NYT, AFP, REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2009 | 00h00

Um suicida detonou ontem uma bomba em uma mesquita, matando pelo menos 50 pessoas e deixando outras 100 feridas. O atentado ocorreu perto da cidade de Jamrud, no Paquistão, a 30 quilômetros da fronteira com o Afeganistão.A bomba foi detonada horas antes de o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciar em Washington sua nova estratégia para o Afeganistão. Obama disse que sua prioridade é desmantelar os refúgios do Taleban e da Al-Qaeda.Segundo testemunhas, os explosivos foram detonados no ponto alto da celebração religiosa. "Quando o ímã disse ?Alá é grande?, ocorreu a explosão", disse Tausser Khan, de 70 anos, que foi internado em um hospital de Peshawar. "Havia sangue e pedaços de corpos por todos os lados. Eu nunca tinha visto uma cena horrível como essa em toda a minha vida", disse Arman, outro sobreviventeO ataque ocorreu na principal estrada que leva ao Passo de Khyber, uma das principais rotas usadas no abastecimento das tropas americanas no Afeganistão. Em fevereiro, um outro ataque, supostamente lançado pelo Taleban, destruiu uma ponte considerada estratégica na mesma região.Autoridades paquistanesas acusaram militantes islâmicos de lançar o ataque, mas nenhum grupo assumiu a autoria do atentado. Inicialmente, o governo disse que a ação teria sido dirigida contra um posto policial próximo da mesquita usado para garantir a segurança do Passo de Khyber.Entre as 300 pessoas que participavam das orações no momento da explosão, havia policiais, seguranças privados e funcionários do governo. Entre os mortos, estão 14 policiais ou paramilitares que atuavam na área tribal semiautônoma da fronteira paquistanesa.Autoridades locais vêm tentado negociar com os diversos grupos radicais islâmicos que atuam no Paquistão. No entanto, o governo americano acusa o serviço secreto e a inteligência do Paquistão de colaborar com insurgentes que cruzam a fronteira para cometer ataques no vizinho Afeganistão.DESTRUIÇÃOCarros, caminhões e motocicletas que estavam no local do atentado em Peshawar foram usados para levar os feridos aos hospitais. Médicos disseram que muitas pessoas que estavam gravemente feridas morreram no trajeto. Boinas usadas por policiais, calçados, telefones celulares e outros objetos das vítimas foram empilhados do lado de fora.O governo teme que o número de mortos possa aumentar, pois há muitos feridos graves e as equipes de resgate ainda buscavam vítimas entre os escombros. O ataque de ontem foi o mais violento cometido no Paquistão desde setembro de 2008, quando um caminhão carregado com explosivos foi detonado em frente ao Hotel Marriot, matando 54 pessoas e ferindo mais de 200 na capital, Islamabad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.