EFE/ Chris Kleponis
EFE/ Chris Kleponis

Ataque à Síria ‘pode acontecer em breve ou não tão cedo’, diz Trump

Presidente americano afirmou que nunca falou quando uma investida contra Damasco seria realizada; líder Bashar Assad ressaltou que qualquer ação contra seu país ‘desestabilizará ainda mais’ a região

O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 08h12

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, reduziu nesta quinta-feira, 12, o tom do aviso dado na véspera sobre uma ação militar contra a Síria em resposta ao suposto ataque químico registrado no fim de semana contra civis, e disse que uma investida contra o país “pode acontecer muito em breve ou não tão cedo”. “Nunca disse quando um ataque à Síria seria realizado”, escreveu o republicano no Twitter.

+ ‘É o pior momento desde a Crise dos Mísseis’, diz especialista em Rússia e EUA

+ The Economist: Conflito sírio se agravou após debacle do Estado Islâmico

"Em qualquer caso, os EUA, sob minha administração, têm feito um grande trabalho para livrar a região do Estado Islâmico. Onde está o nosso 'Obrigado EUA'?", completou o presidente.

+ Análise: Tomahawks já não são os mesmos que derrubaram Saddam

+ Diplomacia pelo Twitter: 14 vezes em que Trump usou a rede social para divulgar sua política

O líder sírio, Bashar Assad, afirmou nesta manhã que qualquer ação do Ocidente na Síria “desestabilizará ainda mais” a região. “Qualquer ação contribuirá somente para desestabilizar ainda mais a região”, indicou ele.

Trump prometeu tomar uma ação rápida e decisiva contra Damasco desde o suposto ataque com armas químicas que matou dezenas de pessoas. O regime de Assad nega qualquer responsabilidade na ação, o que aumentou a tensão entre o ocidente e a Rússia, que apoia o governo sírio.

Na quarta-feira, o presidente americano afirmou que “mísseis chegarão” à Síria. "A Rússia promete abater todos os mísseis que sejam disparados contra a Síria. Prepare-se Rússia, porque eles chegarão lindos, novos e 'inteligentes'! Vocês não deveriam ser parceiros de um animal assassino com gás que mata seu povo e se diverte", escreveu Trump em sua conta no Twitter.

As declarações de Trump foram respondidas pelo Kremlin, que afirmou que "não participa da tuíte-diplomacia" e é a favor de "abordagens sérias". / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.