Ataque a uma base da ONU no Sudão do Sul deixa 58 mortos

Outras 100 pessoas ficaram feridas em atentado realizado por cerca de 350 jovens

O Estado de S. Paulo,

18 de abril de 2014 | 11h17

Ao menos 58 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas na quinta-feira 17 durante um ataque a uma base da Organização das Nações Unidas (ONU) no Sudão do Sul. "Os corpos de 48 pessoas, entre elas mulheres e crianças, foram resgatados de dentro da base. Fora do complexo foram encontrados os corpos de dez criminosos", afirmou o principal funcionário da ONU no país, Toby Lanzer.

Segundo ele, o ataque na cidade de Bor, que é controlada pelo governo, foi promovido por cerca de 350 jovens com roupas de civis. "Eles usaram de extrema violência para invadir o perímetro da nossa base", contou Lanzer. "Quando percebemos que estávamos sob ataque, nós respondemos. A rápida ação dos mantenedores da paz da ONU salvou vidas."

Centenas de pessoas buscaram refúgio na base da ONU em meio ao conflito étnico no país que já dura quatro meses. Cerca de 5 mil pessoas estão na unidade atualmente. "Nós vamos fazer de tudo para resguardar as vidas das pessoas que estão sob nossa proteção, até usar força letal", comentou o representante da ONU. Segundo ele, medidas estão sendo adotadas para garantir a segurança das outras unidades da organização no país, que abrigam quase 60 mil pessoas.

De acordo com Lanzer, esta foi uma das semanas mais violentas na curta história do Sudão Sul, com relatos de atrocidades cometidas na cidade de Bentiu, dominada pelas forças rebeldes. Ele conta que o conflito, iniciado após um desentendimento entre tropas leais ao presidente Salva Kiir e forças que apoiam o vice-presidente Riek Machar entrou em um "ciclo de vinganças"./ DOW JONES

Tudo o que sabemos sobre:
Sudão do SulONUataquemortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.