Ataque à Universidade de Navarra fere 28

Carro-bomba atribuido à ETA, com pelo menos 80 quilos de explosivos, foi detonado no estacionamento do edifício

Efe, AFP e AP, O Estadao de S.Paulo

31 de outubro de 2008 | 00h00

Um carro-bomba - carregado com entre 80 e 100 quilos de explosivos - foi detonado ontem no estacionamento da Universidade de Navarra, em Pamplona, no norte da Espanha, deixando 28 feridos, a maior parte deles com cortes e escoriações. Segundo autoridades espanholas, há indícios de que a organização separatista basca ETA esteja por trás do atentado. Segundo o ministro do Interior, Alfredo Rubalcaba, uma hora antes da explosão alguém que disse falar em nome da ETA fez um telefonema anônimo para o serviço de estradas da província basca de Álava avisando que uma bomba havia sido colocada em um "Peugeot branco estacionado num câmpus universitário", mas sem especificar qual. Navarra, onde fica Pamplona, é vizinha ao País Basco. O objetivo da ETA é unir as duas regiões e criar um Estado independente que incluiria também parte do sudoeste da França."Dentro da desgraça tivemos sorte", disse Rubalcaba, referindo-se ao fato de o ataque não ter deixado mortos. "Poderia ter sido uma tragédia." Na terça-feira, a polícia espanhola prendeu quatro supostos membros da ETA. Três deles foram capturados em Pamplona e um terceiro em Valência, no oeste do país, apesar de também ser natural da capital navarra. Segundo autoridades espanholas, os quatro pertenciam a um comando da ETA que preparava um ataque terrorista, mas Rubalcaba não confirmou se tal comando seria o responsável pela explosão de ontem. O atentado ocorreu nas proximidades da biblioteca e do edifício da Faculdade de Comunicações às 11 horas, quando a universidade estava cheia de alunos. "Ouvi um estrondo e logo uma coluna de fumaça de uns 30 ou 40 metros formou-se sobre o estacionamento", disse ao Estado o professor Ramón Salaverría, diretor do Departamento de Projetos Jornalísticos da Universidade de Navarra, que no momento do atentado estava em seu escritório. As chamas provocadas pela explosão tomaram conta do edifício central da universidade e muitos carros foram destruídos. "Felizmente, por causa do frio e da chuva, as pessoas que hoje deixaram seu carro no estacionamento logo correram para se abrigar em um lugar fechado. Em geral, há mais gente por lá", afirmou Salaverría. A maior parte dos feridos foi atingida pelos vidros dos carros ou dos edifícios próximos. Alguns alunos tiveram crises nervosas e outros apresentaram problemas de audição. Fundada pela prelazia conservadora católica Opus Dei, a Universidade de Navarra tem hoje quase 15 mil estudantes. Ela já foi alvo de outros cinco atentados terroristas desde 1979. O último deles foi em 2002, quando a ETA explodiu um carro-bomba a poucos metros do local do atentado de ontem. Em El Salvador, onde participavam da XVIII Cúpula Ibero-Americana, o rei da Espanha, Juan Carlos I, e o primeiro-ministro do país, José Luis Rodríguez Zapatero, condenaram com veemência o ataque. COLABOROU RUTH COSTAS, MADRIATENTADOS NA REGIÃO10/2008 - Explosão no estacionamento da Universidade de Navarra deixa 28 feridos02/2006 - ETA explode um furgão na frente de uma discoteca em Urdax 12/2005 - Carro-bomba é deixado na frente de uma discoteca lotada na localidade de Santesteban, a 60 quilômetros de Pamplona. Casa é esvaziada meia hora antes da explosão. 05/2003 - Cinco dias depois das eleições municipais, atentado da ETA mata dois policiais e deixa um terceiro gravemente ferido no povoado de Sangüesa. 09/ 2002 - Bomba da ETA mata um guarda civil e fere outros quatro na localidade de Leitza 05/2002 - Explosão diante do edifício central da Universidade de Navarra deixa três feridos 07/2001 - ETA assassina político local e um integrante da polícia basca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.