Ataque aéreo contra escola mata 16 na Síria

LONDRES - Um ataque aéreo contra uma escola na cidade de Raqa, região controlada pelos rebeldes no norte da Síria, deixou ontem 16 mortos, em sua maioria estudantes e professores, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), grupo opositor com sede em Londres. "Entre os mortos estão dez alunos menores de 18 anos e há muitos feridos em estado grave", disse a OSDH em sua página oficial.

O Estado de S.Paulo,

30 Setembro 2013 | 02h14

Os rebeldes tomaram o controle de Raqa no dia 6 de março. A cidade é a única capital de província da Síria nas mãos dos insurgentes. Atualmente, a cidade é controlada principalmente pelos jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

O OSDH, que conta com uma ampla rede de ativistas em todo o país, postou um vídeo que mostra os corpos das vítimas, uma delas coberto por livros escolares. "Houve pânico, crianças chorando na escola e tentando se esconder", afirmou uma testemunha.

Ativistas da oposição que vivem em Raqa, que tem cerca de 250 mil habitantes, publicaram uma lista de 14 pessoas que teriam sido vítimas do ataque e disseram que pelo menos 30 outras foram feridas, muitas em estado grave. Outros vídeos amadores postados na internet mostraram pelo menos nove corpos deitados na calçada.

Ainda de acordo com o OSDH, em outro confronto de ontem, pelo menos 19 soldados de Assad foram mortos e 60 ficaram feridos em um ataque rebelde contra posições militares em Qalamoun, norte de Damasco. "Há também vítimas entre os insurgentes, que conseguiram tomar o controle de várias posições", garantiu o OSDH.

Jornalistas. Abu Chuja, repórter fotográfico sírio que colaborava para a agência France Presse, foi morto no sábado durante um bombardeio à cidade de Deir Ezzor. O fotógrafo foi surpreendido pelos combates entre rebeldes e tropas leais a Assad na região. De acordo com a ONG Repórteres Sem Fronteiras, 25 jornalistas morreram no país desde o início do conflito sírio, em março de 2011. / REUTERS, NYT, AP e AFP

Mais conteúdo sobre:
Síriarebeldesataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.