Ataque aéreo matou 14 em Faluja

Pelo menos 14 pessoas morreram e três ficaram feridas neste domingo em um ataque aéreo americano contra um suposto esconderijo de extremistas estrangeiros na cidade de Faluja, um dos redutos da resistência iraquiana à invasão anglo-americana do Iraque, informou um porta-voz do comando militar americano, general Erv Lessel. Segundo moradores a casa pertencia a uma família pobre.O oficial americano garantiu que o primeiro-ministro iraquiano, Iyad Allawi, autorizou a operação militar, que destruiu uma casa. Nela, estariam abrigados 25 guerrilheiros ligados ao líder extremista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi - tido como chefe da rede Al-Qaeda no Iraque e a quem se atribui uma série de atentados à bomba e assassinatos em território iraquiano.Um médico do hospital de Faluja, Mohamed Salem, com base em testemunhos de feridos, disse que caças-bombardeiros e um helicóptero dispararam mísseis de madrugada contra uma casa deShohada, bairro da zona sul de Faluja. O médico acrescentou que unidades da defesa civil e moradores da região trabalharam no local durante todo o dia na remoção dos escombros em busca de corpos. De acordo o médico, a casa era "habitada por uma família pobre".Outras narrativas atribuídas a testemunhas dão conta de que o ataque aéreo seguiu-se a um tiroteio entre homens armados e uma patrulha americana. "Os americanos tentaram invadir a casa", destacou uma testemunha sob condição de anonimato. Centenas de vizinhos, revoltados, gritavam "Alá é grande" e exigiam a retirada imediata das tropas anglo-americanas do país. Segundo o general Lessel, as informações sobre a existência de "terroristas estrangeiros" naquele local foram obtidas dos serviços secretos iraquianos em colaboração com a CIA.Pouco antes dessa operação, uma patrulha americana prendia na cidade de Tikrit um comandante da antiga Guarda Republicana, guarda de elite de Saddam Hussein, o general Sofian Maher. Ele ésuspeito de ter participado e financiado ataques contra civis iraquianos, forças de segurança iraquianas e soldados da coalizão internacional. Ainda em Tikrit, cidade natal de Saddam, um carro-bomba explodiu hoje diante de uma delegacia de polícia. Dois policiais morreram, um ficou fearido e pelo menos dez automóveis foram destruídos.

Agencia Estado,

18 de julho de 2004 | 20h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.