Ataque aéreo provoca explosões no sul da Somália

Funcionários relatam ataques em área pouco povoada; EUA dizem não ter informação sobre operações na região

Agência Estado e Associated Press, Agência Estado e Associated Press

26 de maio de 2008 | 05h28

Ataques aéreos causaram explosões em uma remota área no sul da Somália, informaram funcionários do governo nesta segunda-feira, 26. Não havia informações sobre vítimas nem sobre a origem das aeronaves.   O prefeito da cidade de Buale, Ibrahim Noleye, afirmou que foram ouvidos barulhos de aviões na noite de domingo. Em seguida, houve duas grandes explosões, relatou Noleye. Buale fica 410 quilômetros a sudoeste da capital somali, Mogadiscio.   Noleye contatou funcionários de vilas próximas, segundo os quais a área atingida ficava entre Buale e outra cidade, chamada Sakow. O prefeito não soube dizer quem realizou o ataque - o governo somali não tem uma força aérea, e as tropas etíopes na Somália informaram não ter realizado nenhuma operação do tipo.   Apenas os Estados Unidos têm lançado esses ataques no país nos últimos meses. Porém, a porta-voz da Marinha Lydia Robertson disse não ter informações sobre um possível ataque realizado pelos EUA.   A área atingida é pouco povoada e usada principalmente para a criação de animais como cabras e camelos. Outras testemunhas também confirmaram a explosão. Em outro incidente, homens armados mataram cinco somalis em Mogadiscio. Entre eles havia um soldado do governo e um administrador regional.   A Somália vive um estado de anarquia desde que senhores da guerra derrubaram o ditador Mohamed Siad Barre em 1991. Em dezembro de 2006, a vizinha Etiópia enviou tropas para ajudar o governo apoiado pelas Nações Unidas, incapaz de impor sua autoridade e que enfrenta uma insurgência na capital. Milhares de civis foram mortos e centenas de milhares de pessoas foram forçadas a deixar suas casas, durante a grave crise humanitária que atinge o país.   Matéria atualizada às 12 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
Somália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.