Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Ataque ao Irã vai acelerar produção de armas, diz estudo

Um ataque militar contra o Irã pode fazer com que o país acelere seu programa de armas nucleares, segundo um relatório da Oxford Resarch Group, um grupo de estudos sobre o assunto do Reino Unido.O estudo, chamado Would Air Strikes Work? ("Ataques aéreos dariam certo?", em tradução livre), afirma que uma ação militar poderia fazer o governo iraniano mudar a natureza de seu programa nuclear e rapidamente fabricar algumas armas. O relatório foi publicado em meio às conjecturas de que os Estados Unidos estariam preparando ataques preventivos diante da contínua recusa de Teerã de abandonar o programa de enriquecimento de urânio.Frank Barnaby, que fez parte do estudou, acredita que o Irã pode responder com um desenvolvimento muito rápido de um programa para fabricar armas atômicas. Segundo o especialista, sem informações precisas dos serviços secretos sobre o alcance das instalações nucleares do Irã os ataques aéreos não conseguirão eliminar o programa nuclear."Se o Irã está montando uma capacidade para produzir armas nucleares, está em um ritmo relativamente lento", disse Barnaby. "A maioria das estimativas é de que isso levaria pelo menos cinco anos."O Irã nega que esteja produzindo armamentos e insiste que seus objetivos são pacíficos. No entanto, o país ignorou um prazo dado até o fim de fevereiro pelo Conselho de Segurança da ONU para encerrar o enriquecimento de urânio.Nesta segunda-feira, membros da Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA) se reúnem para discutir a crise nuclear com o Irã e com a Coréia do Norte. Em fevereiro, o governo norte-coreano concordou em fechar seu principal reator nuclear em troca de incentivos internacionais.

Agencia Estado,

05 de março de 2007 | 00h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.