EFE
EFE

Ataque a prédio da comissão eleitoral da Líbia deixa ao menos 12 mortos

Porta-voz do órgão disse que homens-bomba se explodiram dentro do edifício e um grupo de militantes ateou fogo em alguns locais do prédio

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2018 | 07h23
Atualizado 02 Maio 2018 | 11h29

TRÍPOLI - Ao menos 12 pessoas morreram e 7 ficaram feridas em um ataque ao prédio da Alta Comissão Eleitoral Líbia (HNEC), em Trípoli, nesta quarta-feira, 2, segundo fontes de segurança e saúde.

+ Naufrágios na Líbia matam ao menos 30 pessoas

+ Kadafi teria financiado Lula e comprado apoio de líderes africanos

O porta-voz da comissão, Khaled Omar, disse que um grupo de militantes, incluindo homens-bomba, ateou fogo no local. “Um homem-bomba se explodiu dentro do prédio e os outros atearam fogo em alguns locais do edifício.”

+ Filho de Kadafi concorrerá às eleições presidenciais da Líbia

+ Caminhão que transportava imigrantes na Líbia capota e mata ao menos 19

Quatro indivíduos armados atacaram pela manhã o prédio da comissão, informou Mohamad al Damja, um dos responsáveis pela segurança em Trípoli. "Mataram os guardas antes de disparar contra as pessoas que estavam no local", disse ele.

Depois, enquanto chegavam as forças de segurança, ao menos dois agressores detonaram os explosivos que levavam consigo. Fotos publicadas nas redes sociais mostram uma fumaça preta espessa saindo do local do ataque, no oeste de Trípoli. Um site de propaganda jihadista disse que o grupo Estado Islâmico (EI) assumiu autoria da ação.

Em um comunicado, o Governo de União Nacional (GNA) qualificou o caso como "ataque terrorista". A Líbia enfrenta o caos político desde a queda do regime de Muamar Kadafi, em 2011. Duas autoridades disputam o poder: o GNA, reconhecido pela comunidade internacional e com sede em Trípoli, e uma autoridade com base no leste do país, que conta com o apoio do poderoso marechal Khalifa Haftar.

Em resposta à crise, a comunidade internacional e a ONU pressionam para a realização de eleições no país no fim deste ano. A HNEC, considerada uma instituição independente, organizou as legislativas em 2012 e 2014, as primeiras depois de 42 anos de ditaduras. / REUTERS e AFP

Relembre: Quase 300 migrantes resgatados em águas líbias

Mais conteúdo sobre:
bombaLíbia [África]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.