Ahmad GHARABLI / AFP
Ahmad GHARABLI / AFP

Ataque com carro deixa um morto em bairro que detonou violência entre Israel e Hamas

No início deste ano, o tribunal distrital de Jerusalém emitiu uma decisão a favor das famílias judias que reivindicam direitos de propriedade neste bairro de Jerusalém Oriental

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2021 | 21h33

JERUSALÉM - Um ataque com um carro atingiu policiais israelenses em Jerusalém Oriental neste domingo, 16. O atropelamento ocorreu no bairro de Sheik Jarrah, que está no epicentro dos protestos que levaram à atual crise entre israelenses e palestinos. Uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas. 

A polícia israelense disse ter "neutralizado" o agressor, sem especificar sua identidade ou indicar se o indivíduo estava morto ou ferido. 

No início deste ano, o tribunal distrital de Jerusalém emitiu uma decisão a favor das famílias judias que reivindicam direitos de propriedade neste bairro de Jerusalém Oriental, o setor palestino da cidade ocupado e anexado por Israel.

Segundo a lei israelense, se um judeu puder provar que sua família vivia em Jerusalém Oriental antes da guerra árabe-israelense de 1948, ele pode solicitar que seus "direitos de propriedade" sejam devolvidos a ele. No entanto, não existe tal lei para palestinos que perderam suas propriedades durante a guerra. 

A decisão do tribunal gerou grande indignação entre os palestinos, muitos dos quais realizaram manifestações desde então, muitas vezes marcadas pela violência com as forças de segurança ou com famílias de assentados da vizinhança. 

Além disso, líderes da extrema direita israelense, como o parlamentar Itamar Ben Gvir, fervoroso defensor da colonização de Jerusalém Oriental, também visitaram o xeque Jarrah em várias ocasiões, o que os palestinos perceberam como um gesto provocativo./ AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.