Ataque com drone mata 5 militantes no Paquistão

Um avião teleguiado (drone) norte-americano disparou dois mísseis contra um esconderijo de militantes no noroeste do Paquistão neste sábado, matando pelo menos cinco combatentes do Taleban, informaram dois agentes dos serviços de segurança.

Estadão Conteúdo

20 de dezembro de 2014 | 08h17

Numa outra operação, o Exército informou que forças de segurança mataram cinco "terroristas" num subúrbio de Peshawar, onde o Taleban paquistanês realizou um massacre numa escola o começo da semana, matando 148 pessoas, a maioria crianças que estudavam na instituição de ensino.

O ataque chocou o país e provocou uma enorme resposta militar nas regiões tribais ao longo da fronteira afegã, antigos redutos de militantes locais e estrangeiros. Ataques da Força Aérea paquistanesa e operações em solo na região do Khyber - onde, acredita-se que o ataque à escola tenha sido planejado - já mataram cerca de 200 militantes.

O ataque com drone atingiu a cidade de Datta Khel, no Waziristão do Norte, onde tropas paquistanesas vêm realizando importantes operações contra militantes locais e estrangeiros desde junho, informaram autoridades.

As fontes, que falaram em condição de segurança, disseram que os homens mortos no ataque lutavam sob o comando de Hafiz Gul Bahadur. Não estava claro se o ataque aéreo teve relação com o massacre na escola.

Autoridades norte-americanas raramente comentam o programa secreto envolvendo drones do Paquistão, que vem eliminando vários militantes importantes, mas como também atinge civis, esses ataques são extremamente impopulares no país.

Também neste sábado, um integrante das forças de segurança e um policial foram mortos durante um tiroteio com militantes em Peshawar, informou o policial Ijaz Ahmed. Segundo ele, dois militantes também foram mortos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoataquedronemortemilitantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.