Ataque contra a guarda de Abbas mata um e fere cinco

Palestinos armados, aparentemente milicianos do Movimento Islâmico Hamas, invadiram na madrugada deste domingo uma base de treino da guarda do presidente palestino, Mahmoud Abbas, e mataram um oficial, informaram fontes da segurança palestina.Pelo menos outros cinco membros da guarda presidencial, filiada ao movimento nacionalista Fatah e que conta com cerca de 3.500 membros, ficaram feridos, segundo fontes médicas.Porta-vozes do Hamas desmentiram que o ataque contra a base tenha sido perpetrado por integrantes de seu braço armado.O tiroteio entre os dois lados se prolongou por aproximadamente meia hora, de acordo com as fontes de segurança.No sábado, outros 18 palestinos ficaram feridos em diferentes enfrentamentos registrados entre os dois lados na Faixa de Gaza, após o anúncio do presidente Abbas de antecipar as eleições presidenciais e legislativas, menos de um ano após o pleito vencido pelo Hamas.O primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, e o Hamasrejeitaram plenamente a antecipação das eleições e classificaram o anúncio do presidente Abbas como "um golpe de Estado contra um governo eleito democraticamente".Abbas não fixou uma data para o novo pleito e não descartou voltar a negociar com o Hamas para formar um governo palestino de união nacional.O dirigente da milícia do Fatah, Hussein el-Sheikh, demonstrou neste domingo à rádio pública israelense sua segurança de que "não haverá guerra civil entre os palestinos, mas o Hamas deve saber que o presidente Abbas não aceitará de nenhuma maneira que o povo siga napobreza e na crise".Informou ainda que Abbas convocou as eleições "pelo povo palestino, que há dez meses sofre as conseqüências do governo do Hamas", em alusão ao boicote internacional, político e econômico imposto ao governo deHaniyeh desde que assumiu suas funções em março deste ano.Este texto foi alterado às 9h40 para acréscimo de informação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.