Ataque contra base afegã mata general dos EUA e fere 15 militares

Afegão vestindo o uniforme do Exército do país atirou contra tropas locais e estrangeiras em Camp Qargha

O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2014 | 11h09

(Atualizada às 13h45) CABUL - Um homem vestindo o uniforme do Exército afegão atirou contra tropas locais e internacionais na Academia de Oficiais do Exército Nacional Afegão em Cabul nesta terça-feira, 5, matando pelo menos um militar americano e deixando 15 feridos. Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa do Afeganistão, Zahir Azimi, o atirador foi morto.

O Pentágono confirmou que o americano morto era um general. Entre os feridos, estão um general de brigada alemão e mais de dez militares dos EUA.

O Ministério da Defesa afegão confirmou o ataque. "Hoje às 12 horas (horário local), um terrorista em uniforme do Exército abriu fogo contra os parceiros internacionais e outros militares afegãos, ferindo vários", disse em comunicado.

A Missão da ONU no Afeganistão (Isaf) afirmou que o fato ocorreu. "Podemos confirmar que ocorreu um incidente entre tropas afegãs e internacionais na Academia de Oficiais do Exército Nacional Afegão em Cabul. Estamos avaliando a situação", afirmou a Isaf em comunicado.

O Exército alemão disse que um soldado da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) foi morto e que 15 militares da aliança ficaram feridos no ataque lançado "provavelmente por alguém de dentro". O general de brigada recebe atendimento médico e não "está em risco de morte".

Essas ações são conhecidas em jargão militar como ataques "green on blue" (verde contra azul), em alusão a cor dos uniformes das respectivas forças. Trata-se do segundo ataque desse tipo neste ano. Em fevereiro, dois soldados da Isaf foram mortos por desconhecidos que vestiam o uniforme das forças de segurança do Afeganistão.

O conflito no país está em um dos momentos mais sangrentos desde a invasão americana que propiciou a queda do regime fundamentalista taleban no final de 2001 e a poucos meses da retirada da Isaf no final de ano.

Segundo o Taleban, esse tipo de ataque é ordenado como prova de sua infiltração nas forças de segurança. Segundo a Isaf, os ataques são atribuídos a disputas pessoais ou ressentimento de afegãos irritados com a contínua presença internacional em seu país, mais de doze anos após a queda do regime do Taleban.

Em 2012, dezenas de incidentes obrigaram as tropas internacionais a tomar medidas para reduzir a interação com seus parceiros afegãos e, desde então, o número de ataques internos caiu acentuadamente. / AP, EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãotaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.