Ataque contra CIA fecha ano violento no Afeganistão

Uma série de ataques contra alvos ocidentais no Afeganistão encerraram o ano em que a guerra afegã virou prioridade dos Estados Unidos. Em um dos episódios mais sangrentos da história da CIA, sete agentes do serviço secreto e um funcionário local foram mortos na quarta-feira em um atentado suicida contra uma base em Khost, perto da fronteira com o Paquistão. Em outro ataque, quatro militares e uma jornalista canadenses morreram.

AE, Agência Estado

01 Janeiro 2011 | 08h33

No atentado contra a base da CIA, o suicida vestia um uniforme do Exército afegão. As investigações ainda não concluíram se ele havia roubado a vestimenta ou se integrava as forças armadas do Afeganistão. O ataque foi o mais letal contra a agência americana, que, desde a sua criação, em 1947, havia perdido apenas 90 funcionários em ação. Apenas em 2009, morreram 310 americanos dos EUA no Afeganistão - o número é o dobro do registrado no ano passado. Desde a invasão do país, em outubro de 2001, 949 americanos morreram em no conflito.

"A operação foi realizada por um valioso membro do Exército do Afeganistão", disse Zabihullah Mujahid, que atua como porta-voz da milícia extremista Taleban, que reivindicou a autoria do atentado. Já o Ministério da Defesa afegão negou que o terrorista fosse um soldado.

Em um outro incidente ocorrido ontem, dois jornalistas franceses foram sequestrados por insurgentes quando viajavam em uma área ao norte de Cabul, acompanhados pelo tradutor e o motorista. Eles trabalham para uma TV da França. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoguerraEUAataqueCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.