Ataque contra emissora de TV deixa 7 mortos

Pelo menos sete pessoas - entre elas três jornalistas - morreram ontem em um ataque de um grupo armado contra a sede da rede de televisão pró-governo sírio Al-Ikhbariya, perto de Damasco. Outras sete pessoas foram sequestradas e nove ficaram feridas na ação.

DAMASCO, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2012 | 03h02

Segundo testemunhas, artefatos explosivos foram colocados no prédio da emissora após os estúdios terem sido saqueados e depredados. Imagens de TV mostraram a sede do canal destruída pelas explosões, com muros repletos de marcas de tiros.

O ministro da Informação sírio, Omran al-Zubi, condenou o ataque. "Atribuímos à União Europeia, aos árabes e às organizações internacionais a responsabilidade por esse massacre", disse Zubi.

Gestão. A autorização para a viagem do brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro à Síria foi concedida após negociação do chanceler Antonio Patriota com o governo de Bashar Assad - e Damasco apenas admitiu a entrada do chefe da comissão de investigação da ONU sob a condição de que seu visto fosse dado apenas "a título pessoal". Ontem, o embaixador sírio na ONU, Faisal Hamwi, confirmou ao Estado que o fato de Pinheiro ser brasileiro foi "fundamental" na concessão do visto e mostra que a Síria está disposta a colaborar "com quem tem boa-fé".

O governo brasileiro e Pinheiro veem a viagem como um primeiro passo para uma cooperação. Ontem, a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, pediu aos sírios que mantenham a cooperação, aceitando como um próximo passo a entrada da equipe completa de investigação.

Ontem, o governo brasileiro voltou a cobrar o governo sírio, insistindo que a responsabilidade de garantir que o plano de mediação de Annan sobreviva é mesmo das autoridades. / J.C., COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.