Ataque contra manifestantes fere 42 na Argélia

Policiais armados com cassetetes e escudos atacaram manifestantes, hoje, em Argel, capital argelina, que desafiaram a proibição de reuniões públicas na cidade e realizaram uma marcha pelas ruas. Cerca de 42 pessoas ficaram feridas. A Argélia está entre os muitos países do norte da África e do Oriente Médio que começaram a demonstrar resistência contra seus líderes autocráticos depois que um jovem ateou fogo ao próprio corpo na Tunísia, dando origem a uma onda de protestos que levou o homem forte do país a fugir.

AE, Agência Estado

22 de janeiro de 2011 | 17h14

Os organizadores do protesto no partido democrático de oposição hastearam a bandeira da Tunísia ao lado da bandeira da Argélia no balcão da sede do partido onde a marcha iria começar. Os policiais, escoltados por um helicóptero e caminhões, cercaram a saída da sede para assegurar que os manifestantes não deixariam o edifício e atacaram quem tentou deixar o local. Do lado de fora, jovens acenavam com a bandeira nacional e gritavam "Poder assassino".

"Eu sou um prisioneiro na sede do partido", disse Said Sadi, um ex-candidato presidencial que lidera o Partido do Rali pela Cultura e Democracia, por meio de um megafone na janela do edifício. Manifestantes gritavam "Saia Boutef", referindo-se ao presidente Abdelaziz Bouteflika, refletindo os gritos contra o presidente da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, antes de ele fugir para a Arábia Saudita em 14 de janeiro.

Durante o confronto, o líder do partido no Parlamento, Atmane Mazouz, foi atingido no rosto com um cassetete. Cinco manifestantes foram presos e 42 foram levados feridos para os hospitais. A agência de notícias oficial afirmou que sete policiais foram feridos, sendo dois com gravidade. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.