Ataque contra sede de governo distrital no Afeganistão deixa pelo menos sete mortos

Talibã reivindicou a autoria; autoridades afirmam que governador do distrito de Khuja Omari é uma das vítimas

O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 03h29

CABUL – Pelo menos sete pessoas morreram durante ataque à sede do governo do distrito afegão de Khuja Omari, na província de Gásni, a 230 quilômetros de Cabul.  O confronto ocorreu durante a madrugada e, segundo autoridades, vitimou o governador do distrito. O Talibã reivindicou autoria do ataque.

Segundo o governador da província, Aref Noori, entre as vítimas está o governador do distrito de Khuja Omari, Ali Doms Shams, e outros seis policiais. Segundo ele, "as forças talibãs lançaram um araque coordenado contra a sede do governo local por volta das 2h (18h30 no horário de Brasília)". O ataque durou três horas. Nove membros do serviço de inteligência afegão ficaram feridos.

+ 'Se eu não cobrir, quem vai?', diz repórter do NYT sobre atentados no Afeganistão

Por sua vez, o diretor-adjunto da polícia de Gázni, Ramazan Ali Mohsini, disse que o conflito deixou "treze mortos", sendo o governador do distrito de Khuja Omari e outros sete policiais. 

"Os talibãs usaram uma escada para entrar no complexo e lançar o ataque", informou Mohsini. O local chegou a ser incendiado. O chefe da polícia também afirmou que alguns membros do Talibã foram feridos durante o confronto, mas não soube precisar o número.

Mais cedo, o deputado Mohammad Arif Rhamani chegou a informar à imprensa que quinze agentes do governo morreram durante o conflito.

+ Explosão causa ao menos três mortes em Cabul

O ataque mirou um complexo do governo afegão na província de Gásni, no centro do Afeganistão. A região concentra forte presença do Talibã, que reivindicou a autoria do ataque e afirmou que as forças do grupo assumiram o controle do distrito de Khuja Omari. O grupo também disse que mais de vinte pessoas morreram durante o ataque. Até o momento, as informações não foram confirmadas pelas autoridades. //AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.