Ataque da Otan mata cinco soldados afegãos, diz governo

Um ataque aéreo da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no início da manhã desta quinta-feira na província de Logar, no leste do Afeganistão, matou cinco soldados afegãos, disseram autoridades do ministério da Defesa do país. A coalização disse que as mortes foram um acidente e expressou seus pêsames. Segundo a Otan, os soldados afegãos foram "mortos acidentalmente". A organização não especificou se as mortes foram resultado do ataque.

AE, Agência Estado

06 de março de 2014 | 11h09

Excepcionalmente reticente, o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, não criticou imediatamente as tropas internacionais, dizendo a repórteres durante uma visita oficial ao Sri Lanka que o incidente está sendo investigado. "Sobre esse ataque, a Otan admitiu para mim que eles fizeram isso por engano. Nós iremos investigar o caso e então falaremos sobre ele", afirmou Karzai.

O porta-voz do ministro da Defesa afegão, general Zahir Azimi, afirmou que o ataque ocorreu no distrito de Chakh e que oito soldados do Exército Nacional Afegão (ANA, na sigla em inglês) também ficaram feridos. Os helicópteros do ministério transportaram os feridos para Cabul. Azimi disse que uma investigação estava em curso.

Uma porta-voz das forças internacionais no Afeganistão, major Cathleen Snow,

descreveu as mortes como um "incidente infeliz" durante uma operação em

leste do país. Ela afirmou que uma investigação estava sendo realizada para determinar as circunstâncias que levaram às mortes. Cathleen não especificou se um ataque aéreo havia provocado as mortes e não deu mais detalhes da operação. "Podemos confirmar que pelo menos cinco pessoas do Exército Nacional Afegão foram acidentalmente mortas esta manhã", escreveu Snow, em entrevista por e-mail. "Nossos pêsames vão para as famílias dos soldados da ANA que perderam suas vidas ou ficaram feridos." Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãootanataquesoldados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.