Ataque das Farc deixa 3 policiais colombianos mortos

Três policiais foram mortos, um ficou ferido e outro está desaparecido após um ataque da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no noroeste do país, informaram hoje as autoridades. O ministro da Defesa, Rodrigo Rivera Salazar, explicou que o ataque aconteceu no município de Tibú, no departamento (Estado) de Santander do Norte, 470 quilômetros ao noroeste de Bogotá e perto da fronteira com a Venezuela.

AE-AP, Agência Estado

14 de setembro de 2010 | 14h35

Foi o quarto ataque contra a polícia colombiana por grupos insurgentes desde que o presidente Juan Manuel Santos assumiu o cargo, em 7 de agosto. Até agora, pelo menos 30 policiais foram mortos nos ataques. "Nossa solidariedade está com as famílias dos três policiais que foram assassinados ontem", disse Rivera em entrevista à rádio Caracol.

Mais tarde, o diretor da polícia, o general Oscar Naranjo, acusou insurgentes das Farc de terem desfechado o ataque. "Eu lamento a morte dos meus policiais e digo que essas coisas não deveriam ter acontecido. Ao terrorismo, como assinalamos, e especialmente às Farc, que são as autoras desses novos atentados, vamos atacar com toda a racionalidade e eficiência, com inteligência e acompanhamento dos cidadãos", afirmou Naranjo.

Segundo a polícia nacional da Colômbia, nos últimos sete anos aconteceram 330 ataques das guerrilhas à instituição, que deixaram 674 mortos. Na mesma coletiva de imprensa, Naranjo informou a apreensão de 74 fuzis AK-47, numa operação conduzida pela polícia judiciária colombiana e por funcionários da DEA, a agência antidrogas do governo dos Estados Unidos. Segundo ele, as armas foram apreendidas na segunda-feira na cidade de Cali, capital do departamento de Valle del Cauca, 300 quilômetros ao sudoeste da capital colombiana.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcataquepoliciaismortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.