Ishtiaq Mahsud/Arquivo/AP
Ishtiaq Mahsud/Arquivo/AP

Ataque de drone dos EUA mata n.º 2 do Taleban no Paquistão

Wali ur-Rehman era procurado por Washington há anos; porta-voz do grupo não confirma a morte

O Estado de S. Paulo,

29 de maio de 2013 | 12h05

PESHAWAR, PAQUISTÃO - O ataque realizado por um avião teleguiado americano matou nesta quarta-feira, 29, o número segundo homem na hierarquia do Taleban paquistanês, informaram três fontes oficiais de segurança.

O bombardeio matou sete pessoas, disseram as fontes paquistanesas, incluindo Wali-ur-Rehman, apontado como eventual sucessor de Hakimullah Mehsud à frente do Taleban paquistanês.

Se confirmada, a morte do líder terá sido um forte golpe para o grupo, que é responsável por centenas de ataques com bombas e tiroteios em todo o Paquistão. Os Estados Unidos oferecem uma recompensa de US$ 5 milhões por Rehman, que Washington acusa de envolvimento nos ataques suicidas de 2009 numa base no Afeganistão, que resultou na morte de sete americanos que trabalhavam para a CIA.

Duas fontes disseram que seus informantes em campo viram o corpo de Rehman e uma terceira afirmou que autoridades de inteligência interceptaram comunicações entre os militantes que diziam que o líder havia sido morto. Todas as fontes falaram em condição de anonimato.

Um porta-voz do Taleban paquistanês negou os relatos. "Para mim, isso parece notícia falsa. Não tenho tal informação", declarou Ahsanullah Ahsan, falando à Associated Press por telefone de um local não divulgado.

Este foi o primeiro ataque com drones dos EUA no Paquistão desde a eleição geral de 11 de maio, em que os bombardeios teleguiados americanos foram um tema importante. "Este é um enorme golpe para os militantes e uma vitória na luta contra os insurgentes", disse uma fonte à Reuters, evitando entrar em detalhes.

Foi também o primeiro ataque no Paquistão desde o discurso do presidente Barack Obama, na última quinta-feira, durante o qual propôs regras mais restritivas para o uso dos drones em locais como Paquistão e Iêmen.

Rehman era procurado pelos EUA havia anos. Em 2010, Washington ofereceu US$ 5 milhões por informações que levassem ao líder militante pelo programa "Recompensa para Justiça". Embora Rehman seja mais conhecido por suas atividades no Paquistão, o governo americano declarou em seu anúncio que ele também participou de ataques no Afeganistão, contra militares dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

O Taleban paquistanês é uma entidade separada, mas aliada, do Taleban afegão. O grupo, conhecido como Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP), tem realizado ataques devastadores contra civis e militares locais nos últimos anos. / AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebandrone

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.