Ataque de rebeldes deixa pelo menos dez mortos na Índia

Mais de uma centena de rebeldes maoistas abriram fogo contra os moradores de Phulwaria

Efe,

18 de fevereiro de 2010 | 05h13

Pelo menos dez pessoas morreram em um ataque de supostos membros da guerrilha maoísta na região de Bihar,no norte da Índia, informou nesta quinta-feira, 18, uma fonte policial.

O diretor-geral de Polícia, U.S. Dutt, citado pela agência local Ians, explicou que mais de uma centena de rebeldes maoístas abriram fogo contra os moradores do município de Phulwaria, no distrito de Jamui.

Dutt afirmou que as forças de segurança encontraram os corpos de dez pessoas, três delas com marcas de bala, enquanto as outras sete vítimas foram mortas pela explosão de uma bomba.

Além disso, os agressores sequestraram outras seis pessoas e atearam fogo em várias casas.

Entretanto, as informações são desencontradas. A agência de notícias indiana PTI, que não citou suas fontes, informou que o ataque aconteceu na localidade de Kasari, no mesmo distrito, e que nove pessoas morreram e doze ficaram feridas.

Segundo a Polícia, a ação pode ser uma represália da guerrilha, que ontem convocou uma greve em cinco distritos de Bihar para protestar pela suposta morte de oito rebeldes maoístas pelas forças de segurança com a cooperação de aldeões.

Na segunda-feira passada, 20 membros das forças de segurança indianas morreram em um ataque maoísta contra um campo de treinamento militar no distrito de Midnapore Ocidental, pertencente à região indiana de Bengala.

O ataque aconteceu quando um grupo de 50 maoístas armados, em motocicletas, atacou um acampamento de um corpo paramilitar destacado na zona para lutar contra os rebeldes.

A guerrilha maoísta permanece ativa, sobretudo no chamado "cinto vermelho", uma faixa de território no centro e no leste da Índia onde os rebeldes têm vários campos de treinamento e buscam apoio do campesinato para implantar uma revolução agrária comunista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.