Ataque deixa pelo menos 4 mortos no norte do Iraque

Um suicida que dirigia um carro cheio de explosivos realizou nesta quarta-feira um ataque em Irbil, norte do Iraque, matando pelo menos quatro pessoas. Nenhum grupo havia assumido a autoria da ação, ocorrida perto da cidadela de Irbil, capital da região curda semiautônoma no norte do Iraque, embora o ataque tenha características das ofensivas do grupo Estado Islâmico.

Estadão Conteúdo

19 de novembro de 2014 | 15h43

Irbil tem permanecido calma, embora fique perto das linhas de frente da guerra contra o grupo militante sunita. A cidade recebeu milhares de refugiados que escaparam das ações do Estado Islâmico nos últimos meses, quando o grupo tomou grandes extensões de terra no norte e oeste do país, assim como um terço do território da Síria.

Três das pessoas mortas nesta quarta-feira eram guardas, informou Hamza Hamid, porta-voz do governador de Irbil. Segundo o Ministério da Saúde curdo, pelo menos 22 pessoas ficaram feridas.

Segundo Hamid, o ataque aconteceu "em frente à principal entrada do prédio do governo de Irbil", que fica próximo à cidadela.

O prefeito Nawzad Hadi disse à emissora estatal de televisão Rudaw que o homem tentou entrar na cidadela, mas não conseguiu, e detonou os explosivos do carro do lado de fora do complexo.

Segundo o prefeito, várias propriedades da área sofreram danos significativos, mas não estava claro se a cidadela, um dos lugares habitados continuamente por mais tempo em todo o mundo, ficou danificada. Seu castelo, tem mais de 8 mil anos de história.

Forças de segurança curdas rapidamente isolaram a área. As ruas do lado de fora do castelo estavam cheias de carros carbonizados e havia sangue no chão quando as ambulâncias retiravam as vítimas.

Os militantes do Estado Islâmico chegaram a manter posições a apenas 30 quilômetros de Irbil, mas retrocederam após ataques das forças curdas, conhecidas como peshmerga, com a ajuda de ataques aéreos norte-americanos. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IraqueIrbilmortossuicida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.