Ataque do Boko Haram mata 31 seguranças na Nigéria

Atiradores do Boko Haram atacaram uma base militar da Nigéria e instalações adjacentes da polícia na cidade de Buni Yadi, no nordeste do país, matando 31 seguranças, disseram fontes de segurança e testemunhas.

Reuters

27 Maio 2014 | 18h24

O ataque desta segunda-feira no Estado de Yobe ocorreu perto de onde os insurgentes islâmicos mataram a tiros ou incendiaram 59 estudantes de um colégio interno em fevereiro.

Os militantes, cuja luta violenta por um Estado islâmico no norte nigeriano já vitimou milhares e fez do grupo a maior ameaça à segurança do maior produtor de petróleo da África, ainda detêm mais de 200 garotas sequestradas em 14 de abril, ato que despertou revolta em todo o mundo.

O porta-voz da polícia de Yobe, Nansak Chegwam, disse estar ciente do atentado, mas não forneceu mais detalhes.

Um morador de Buni Yadi, que se identificou como Mustafa, disse que os militantes chegaram em um veículo blindado e seis picapes Toyota, saltando dos carros e disparando para o alto.

Eles dispararam granadas lançadas por foguetes contra as duas bases. Uma autoridade de segurança do alto escalão do Estado de Yobe disse que 17 soldados e 14 policiais morreram.

Em um gesto raro para um movimento que matou milhares de civis no último ano, o Boko Haram pediu às pessoas nas ruas que não fugissem, já que só procuravam as forças de segurança, disseram Mustafa e a fonte de segurança.

(Reportagem de Joe Hemba e Lanre Ola)

Mais conteúdo sobre:
NIGERIA BOKOHARAM ATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.