Ataque do exército deixa 'dezenas de mortos e feridos' na Síria

As forças de segurança do governo invadiram a cidade, que é palco dos principais protestos contra o presidente Assad.

BBC Brasil, BBC

31 de julho de 2011 | 08h18

Tanques do exército sírio realizaram um ataque na cidade de Hama, ao norte da Síria, deixando pelo menos 45 civis mortos, segundo um grupos dos principais grupos ativistas pelos direitos humanos do país.

Hama é palco de alguns dos maiores protestos contra o governo do presidente Bashar al-Assad, e esteve cercada pelo exército durante o último mês.

De acordo com correspondentes, o ataque mostra que o exército não vai tolerar manifestações de larga escala pouco antes do mês do Ramadã - mês sagrado para os muçulmanos - quando os protestos devem aumentar.

Ativistas dizem que mais de 1.500 civis e 350 oficiais das forças de segurança foram mortos na Síria desde o início dos protestos, em meados do mês de março.

No entanto, as manifestações não dão sinais de ter chegado ao fim, apesar da dura repressão do governo, que gerou condenações e sanções internacionais.

Centro de protestos

De acordo com ativistas na cidade, soldados e tanques começaram o ataque no início da manhã deste sábado, derrubando centenas de barricadas erguidas por moradores para chegar ao centro de Hama.

Falando de Londres, Rami Abdel Rahman, do Observatório Sírio de Direitos Humanos, disse que sua contagem mais recente, baseada em relatos de médicos locais, era de 45 mortos e dezenas de feridos.

Relatos de residentes confirmam mortos na área e dizem que o fornecimento de água e de eletricidade da cidade foi cortado.

O correspondente da BBC na região, Jim Muir, disse que atiradores das forças de segurança foram vistos assumindo posições em prédios altos da cidade.

Um morador disse ao serviço mundial da BBC que os três principais hospitais da cidade estavam lotados, com mais de 200 feridos.

"Eles estão cuidando das pessoas nos corredores dos hospitais. Muitos feridos foram levados para suas casas e os médicos estão tratando deles lá", disse.

O morador afirmou ainda que os manifestantes não fizeram nada para provocar a ação militar.

"Por três meses, Hama teve enormes manifestações. Mais de 250 pessoas foram mortas e nada, nenhum tiro, veio do povo de Hama. Só barricadas de pedras e madeira."

Em entrevista à rede de TV árabe Al-Jazeera, a porta-voz do governo sírio, Reem Haddad, defendeu a operação militar, dizendo que as autoridades foram forçadas a agir porque Hama está em um "estado de terror" no último mês.

A cidade foi palco da repressão de um levante popular contra o pai do presidente Bashar al-Assad, Hafez, em 1982.

Prisões em massa

Rahman, do Observatório Sírio, diz que outras três pessoas foram mortas pelas forças de segurança neste domingo, na cidade de Deraa, e outras seis na cidade de Deir al-Zour.

Na última sexta-feira, 20 pessoas foram mortas e 35 ficaram feridas durante protestos em diversas cidades no país. De acordo com os ativistas pelos direitos humanos, mais de 500 pessoas foram presas em uma operação no bairro de Qadam, na capital, Damasco.

Desde o início dos protestos, mais de 12.600 pessoas foram presas e outras 3 mil constam como desaparecidas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.