Ataque dos EUA mata 12 civis afegãos, entre eles 1 menino

Forças americanas afirma que 16 militantes morreram no bombardeio no oeste do Afeganistão

Reuters,

18 de fevereiro de 2009 | 10h20

As forças norte-americanas mataram pelo menos uma criança em um ataque aéreo no oeste do Afeganistão, mostrou um vídeo obtido pela Reuters nesta quarta-feira, 18. Segundo a polícia, este ataque aéreo matou 12 civis. Segundo as forças dos Estados Unidos, foram mortos 16 militantes.   Veja também: DOSSIÊ ESTADO: Afeganistão torna-se a guerra de Obama   O vídeo feito no distrito de Gozara, na província de Heart, após o ataque na segunda-feira, mostrava pedaços lacerados e irreconhecíveis de corpos - foi tudo o que restou de várias pessoas e dezenas de animais mortos em um acampamento nômade. Um corpo reconhecível era o de um menino.  A informação que temos é que 12 civis, incluindo seis mulheres, quatro homens e duas crianças, foram mortos no bombardeio", disse o general Ikramuddin Yawar, chefe de polícia no oeste do Afeganistão.   O ministério da Defesa do Afeganistão disse que "sete terroristas" estavam entre os "vários civis" mortos no ataque. "Infelizmente, temos de dizer que os terroristas se escondem entre a população civil e usam casas de civis como esconderijo. Essas ações causam mortes de civis", disse o ministério, em um comunicado.   Mais de 2.100 civis foram mortos no Afeganistão no ano passado, 40% a mais que em 2007, informou a Organização das Nações Unidas na terça-feira, e um quarto de todas as mortes de civis - 552 pessoas -- morreu em ataques aéreos das forças lideradas pelos Estados Unidos e pela Otan.  A notícia do ataque vem no momento em que o presidente Barack Obama ordenou o envio de mais 17 mil militares ao Afeganistão, a fim de tentar derrotar os insurgentes do Taleban que lutam para expulsar as forças estrangeiras e derrubar o governo do presidente Hamid Karzai, que tem o apoio do Ocidente.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.