Ataque dos EUA matou 'dezenas', diz Cruz Vermelha

A Cruz Vermelha Internacional confirmou hoje a existência de "dezenas de cadáveres" em covas e nos escombros onde, segundo funcionários afegãos, bombas dos Estados Unidos mataram até 120 civis. O presidente afegão, Hamid Karzai, afirmou que em seu primeiro encontro com o colega norte-americano, Barack Obama, o assunto será tratado. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha informou que seus funcionários viram mulheres e crianças entre dezenas de corpos, em duas vilas atingidas por ataques aéreos, enquanto militares dos EUA enviaram um general à região para investigar.

AE-AP, Agencia Estado

06 de maio de 2009 | 11h13

As primeiras imagens dos bombardeios na província de Farah foram divulgada hoje. As imagens registravam moradores enterrando os mortos em mais de dez covas, enquanto outras pessoas recolhiam escombros e demoliam casas danificadas. Uma equipe da Cruz Vermelha Internacional viajou ao distrito de Bala Baluk, em Farah, onde os funcionários viram "dezenas de corpos em cada uma das duas locações onde nós fomos", afirmou a porta-voz Jessica Barry. "Nós realmente confirmamos mulheres e crianças (entre os mortos)."

Karzai ordenou hoje uma investigação sobre as mortes e os EUA enviaram um general para chefiar uma investigação norte-americana. Karzai, no momento nos Estados Unidos, tratará do tema das mortes de civis com Obama. Os dois presidentes devem ter seu primeiro encontro pessoal ainda hoje. Karzai qualificou a morte de civis como "inaceitável".

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoviolênciaCruz Vermelha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.