´Ataque dos EUA seria aposentadoria da ONU´, diz cubano

Um ataque unilateral dos Estados Unidosao Iraque significaria a "aposentadoria" da ONU, afirmou ovice-ministro das Relações Exteriores de Cuba, Fernando Remírezde Estenoz. Ao fazer uma intervenção no encerramento de um encontro decorrespondentes de guerra, o funcionário afirmou que "apretendida guerra contra Bagdá é um golpe contundente àcredibilidade das instituições internacionais necessárias para apaz", segundo informou a imprensa local. De acordo com Remírez de Estenoz, que antes foi chefe doescritório que representa os interesses de Havana em Washington,depois dos ataques de 11 de setembro os EUA perderam aoportunidade de liderar uma verdadeira "estratégia global"contra o terrorismo. Pelo contrário, afirmou o vice-ministro, a Casa Brancaaprofundou seu unilateralismo que terminará por fortalecer aviolência das outras nações. Para Remírez de Estenoz, vivemos em uma época em que "a sedede vingança e as perigosas correntes xenófobas" ameaçam "aexistência de idéias plurais e democráticas no mundo". O que falta, disse, é a vontade política de cumprir com osinstrumentos internacionais para combater o terrorismo, noâmbito da ONU. O diplomata insistiu que Cuba, que de acordo com ele é vítimade atos terroristas há mais de 40 anos, condenou "semvacilação" os ataques do ano passado aos EUA. Havana, disse ele, firmou até agora 12 convênios mundiais paracombater o terrorismo, aprovou uma lei nacional contra esse tipode violência e propôs aos EUA a assinatura de um acordo sobreesse tema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.