Ataque em prisão dos EUA no Iraque deixa seis mortos

Pelo menos 50 civis foram feridos durante o ataque dos militantes iraquianos

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

Seis presos civis foram mortos e pelo menos 50 ficaram feridos quando foguetes e morteiros foram disparados contra a prisão de Camp Bucca, comandada pelos Estados Unidos no sul do Iraque, informou o Exército dos EUA. Em outro incidente, uma explosão matou 13 soldados iraquianos e feriu outros 30 em um posto de fiscalização em Bagdá. Atentados já mataram neste sábado, 9, pelo menos 20 pessoas no Iraque. O porta-voz do Exército, tenente-coronel Christopher Garver, disse que o ataque contra a prisão envolveu um número não especificado de séries de morteiros ou foguetes disparados contra a prisão. Ele não deu mais detalhes. As prisões comandadas pelos EUA, como a antiga prisão de Abu Ghraib, no oeste de Bagdá, já foram atacadas por insurgentes no passado, mas tais investidas são raras. Cerca de 16 mil detentos estão presos em Camp Bucca e Camp Cropper, perto de Bagdá. Sunitas, que eram dominantes sob o governo de Saddam Hussein e que formam a espinha dorsal da insurgência iraquiana, são a maioria dos detidos nas prisões comandadas pelos EUA no Iraque. O governo iraquiano tomou o controle sobre Abu Ghraib, famosa pelo escândalo de abuso de prisioneiros envolvendo soldados norte-americanos, em setembro passado. Um caminhão-bomba explodiu, matando 12 soldados iraquianos e ferindo outros 30 em um ataque a um posto de fiscalização em al-Iskandiriya, ao sul de Bagdá, segundo informações da polícia. Os soldados estavam escavando os escombros e a expectativa é que o número de mortos aumente, disse a polícia. Uma fonte da polícia disse que o motorista já havia passado por um posto de fiscalização antes de se explodir na segunda barreira. Ataques em províncias fora de Bagdá aumentaram desde que uma operação de segurança liderada pelos Estados Unidos na capital começou a forçar os insurgentes a deixar a cidade e ir para cidades e vilas ao redor. A onda de violência sectária no Iraque entre a maioria xiita e os árabes sunitas, dominantes no governo de Saddam Hussein, já matou dezenas de milhares desde que o bombardeio a um santuário xiita em Samarra em fevereiro de 2006 levantou o temor de uma guerra civil. Mais cedo, um policial iraquiano foi morto e outras cinco pessoas foram feridas na manhã deste sábado, 9, pela explosão de um carro-bomba, em Bagdá, informaram fontes policiais. O carro explodiu quando uma patrulha policial passava por uma avenida do bairro de al-Chaab, no nordeste de Bagdá. Os feridos são três policiais e dois civis, segundo as fontes.

Mais conteúdo sobre:
Iraque prisão EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.