Ataque em vila na Nigéria deixa pelo menos 10 mortos

Homens armados com espingardas e facões atacaram a vila rural de Dogo Dawa, norte da Nigéria, neste domingo, matando pelo menos dez pessoas, dentre elas fiéis que deixavam uma mesquita após as orações matinais.

AE, Agência Estado

14 de outubro de 2012 | 12h09

A vila fica localizada na região de pastagens do Estado de Kaduna, onde a polícia e forças de segurança mantém poucos homens. O número de mortos pode ser maior, pois as equipes de emergência reconhecem que as informações são confusas e poucas testemunhas foram contactadas diretamente. Soldados e policiais interromperam o acesso à região neste domingo, limitando a resposta das equipes de emergência.

Um integrante de uma equipe de resgate, que mora perto da vila onde ocorreu o ataque, disse à Associated Press que os ataques começaram ainda de madrugada, quando cerca de 50 homens armados cercaram a vila e as áreas agrícolas próximas. Aparentemente, a maioria dos mortos era de fiéis que saíram da principal mesquita da vila, após as orações matinais, informou o funcionário do governo, que falou em condição de anonimato.

As razões do ataque também não estão claras. A fonte que vive nas proximidades da vila disse que um grupo de assaltantes, vindo recentemente do Estado vizinho de Zamfara, tem realizado ataques a vilas e roubado pessoas nas estradas. Os moradores de Dogo Dawa haviam formado um comitê de vigilância para patrulhar a região. Segundo a fonte, os vigilantes e os assaltantes têm matado uns ao outros nas últimas semanas.

Por outro lado, o ativista Shehu Sani, que lidera o Congresso de Direitos Civis, grupo sediado em Kaduna, disse que aparentemente o ataque envolveu fazendeiros muçulmanos e pastores nômades, também muçulmanos. São comuns episódios de violência entre os dois grupos em razão do direitos sobre as terras, embora eles não costumem ser tão violentos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Nigériaataquevila

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.