Ataque israelense em Gaza mata 4 adolescentes palestinos

Outra série de bombardeios deixou 19 feridos, entre eles crianças, em diversos pontos de Gaza

Efe

22 de março de 2011 | 12h32

Palestinos tentam limpar os estragos causados pelos bombardeios israelenses. Foto: Mohammed Salem/Reuters

 

 

GAZA - Pelo menos quatro adolescentes palestinos morreram nesta terça-feira, 22, na cidade de Gaza por um bombardeio de tanques israelenses contra uma casa, logo após outro ataque de Israel que deixou 19 feridos, informou Adham Abu Selmeya, porta-voz dos serviços de emergência na Faixa de Gaza.

 

Os quatro rapazes jogavam futebol quando o projétil caiu na casa, ferindo pelo menos outras quatro pessoas, indicou Selmeya.

 

Mais cedo, uma série de bombardeios aéreos israelenses deixou diversos feridos em diferentes locais na Faixa de Gaza vinculados à Brigadas Izz al-Din Al-Qassam, braço armado do Hamas, informaram fontes médicas locais.

 

Os ataques feitos de madrugada pela força aérea israelense deixaram 19 feridos, vários deles crianças, informou Adham Abu Selmeya, porta-voz dos serviços de emergência de Gaza.

 

Já de manhã, houve um novo bombardeio sobre o leste da cidade de Gaza, causado por vários disparos de tanques, deixando dois palestinos feridos, indicou Selmeya.

 

Segundo testemunhas, caças-bombardeiros israelenses atacaram com mísseis vários pontos no norte e na região central da Faixa de Gaza, onde fortes explosões foram ouvidas.

 

Entre os lugares bombardeados estão campos de treinamento do braço armado do Hamas e oficinas de material de construção.

 

O Exército israelense confirmou os ataques e assinalou que os alvos eram dois túneis usados por milicianos, dois locais de "produção e armazenamento de armas" e outros dois de "atividade terrorista", sem especificar.

 

"Foi uma resposta à série de bombas e foguetes Qassam e Grad disparados desde Gaza contra Israel na última semana", que somam 56, assinalou o Exército em comunicado.

 

As milícias palestinas e o Exército israelense estão imersos nos últimos dias em uma escalada de violência.

 

No último sábado, soldados israelenses mataram dois milicianos palestinos em Gaza, o que levou ao lançamento desde Gaza de 50 morteiros contra Israel (que não deixou feridos), o maior número desde a operação "Chumbo Fundido", há mais de dois anos.

 

Na noite de segunda-feira, o porta-voz do Hamas, Abu Obeida, assinalou em comunicado que, se Israel colocar um fim aos bombardeios em Gaza, sua organização se compromete a retornar à situação anterior à escalada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.