Ataque israelense mata 3 civis em Gaza

Um míssil lançado por uma aeronave israelense nesta terça-feira matou duas crianças e um adolescente palestino e feriu outras 12 pessoas, a maioria menores, em um ataque aéreo contra um carro que circulava pelo norte da Faixa de Gaza, informaram fontes médicas palestinas e testemunhas.Segundo um comunicado dos militares israelenses, as forças aéreas do país dispararam contra um carro no qual viajavam ativistas das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa que preparavam ataques contra Israel nos últimos dias.O míssil explodiu na entrada do bairro de Nazla, ao leste do campo de refugiados de Jabalya, no norte da Faixa de Gaza. Cerca de 100 mil palestinos vivem no campo, o maior da Faixa de Gaza e um dos "celeiros" para militantes palestinos.Testemunhas informaram que o míssil disparado de um avião não tripulado pelo Exército israelense não alcançou o carro no qual viajavam os milicianos, atingindo um grupo de transeuntes que se encontrava na área onde estava o veículo.Quatro dos 12 feridos se encontram em estado crítico. Os três milicianos das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, que eram o objetivo do ataque, conseguiram escapar ilesosUm menino de 5 anos e uma menina de 7 foram mortos durante o ataque, informou o médico Jumma Fatah, do hospital Shifam, na cidade de Gaza. Uma moça de 16 anos morreu mais tarde por causa de ferimentos.Centenas de palestinos enfurecidos se reuniram em volta do veículo destruído gritando slogans contra Israel. Khalil Roka , primo de uma das crianças mortas, disse que estava em frente a sua oficina enquanto as crianças brincavam perto de uma casa no momento em que foram atingidas. O Exército israelense afirmou que lamenta as mortes de civis causadas pelo ataque.A emissora israelense Canal 2 criticou a ação do Exército classificando-a como mais uma "tentativa de assassinato frustrada" que só causou novas mortes de civis. Durante as últimas semanas o Exército israelense levou a cabo uma série de ataques aéreos contra a Faixa de Gaza, que resultaram em dezenas de palestinos mortos, a maioria deles transeuntes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.