Ataque mata 32 em protesto contra soldados na Somália

Militantes do grupo Shebab mataram a tiros 30 pessoas, incluindo seis parlamentares, em um ataque suicida em um hotel da capital da Somália, Mogadiscio, nesta terça-feira. A informação foi confirmada pelo vice-primeiro-ministro somali, Abdirahman Haji Adab Ibbi.

AE-AP, Agência Estado

24 de agosto de 2010 | 08h43

Dois militantes islamitas disfarçados como agentes de segurança do governo ainda se explodiram para evitar a prisão após o ataque ao hotel, que estava lotado com funcionários da administração da Somália.

"Trinta pessoas morreram nessa emboscada. Seis deles são membros do Parlamento somali e quatro são funcionários civis do governo somali", afirmou Ibbi a repórteres, após o ataque no Hotel Mona. "Os 20 outros são civis inocentes que morreram nesse horrível incidente", completou ele. Os outros dois mortos são os próprios agressores.

O grupo militante Shebab reivindicou a autoria do ataque. Ontem, o grupo havia prometido lançar uma guerra contra os "invasores", em uma aparente referência aos 6 mil soldados da União Africana que protegem o frágil governo somali. Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SomáliaatentadoShebabUnião Africana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.