Ataque mata ao menos 55 em região tribal do Paquistão

Um suposto suicida do Taleban matou pelo menos 55 pessoas hoje na região tribal de Mohmand, no Paquistão. Após uma explosão inicial, um motociclista se dirigiu para o meio de uma multidão que havia se reunido nas proximidades de um prédio do governo perto de Yakaghund, na cidade de Mohmand, e se explodiu.

AE, Agência Estado

09 de julho de 2010 | 09h23

Mais de cem pessoas se feriram. Seis crianças e vários paramilitares estavam entre os mortos, segundo funcionários. Os feridos, alguns em estado grave, foram levados para hospitais na cidade vizinha de Peshawar, porta de entrada para as regiões tribais. Pode haver mais vítimas entre os escombros. As paredes de uma prisão próxima ruíram, permitindo que cerca de 30 pessoas que cometeram crimes leves escapassem, disse Rasool Khan, um alto funcionário do governo de Mohmand.

O Exército do Paquistão, auxiliado por aviões não tripulados dos Estados Unidos, realiza uma ofensiva há dois anos em áreas tribais. Essas zonas se tornaram refúgio para membros da Al-Qaeda e do Taleban nos últimos anos e nesses locais são planejados ataques contra as forças estrangeiras no Afeganistão.

O Exército obteve vitórias em algumas áreas tribais, sobretudo no Waziristão do Sul. Cerca de dois mil soldados paquistaneses morreram nessa campanha nos últimos dois anos e em torno de um milhão de pessoas deixaram suas casas e muitos civis também foram mortos. A Força Aérea do Paquistão matou hoje mais de dez militantes em ataques em Orakzai, segundo funcionários.

Apesar das derrotas, o Taleban e seus aliados têm capacidade para lançar ataques contra alvos militares e do governo nas regiões tribais e também em outras partes do Paquistão. O número de mortos hoje é um dos maiores no noroeste do país desde o ataque ocorrido em abril, em Peshawar, que matou mais de 50 pessoas. Esse atentado teve como alvo um partido político que apoiava a ofensiva militar na região tribal. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.