Ataque mata militantes em regiões tribais no Paquistão

Aviões paquistaneses atingiram supostos esconderijos de militantes na região tribal do noroeste do país neste domingo, matando mais de 80 pessoas, afirmou o Exército, no segundo ataque em uma semana, depois de um ataque do Taleban ao aeroporto de Karachi, o mais movimentado do país.

Agência Estado

15 de junho de 2014 | 11h28

Os ataques atingiram alvos na área de Degan, região tribal do Waziristão do Norte, perto da fronteira com o Afeganistão, por volta da 1h30 (horário local), informaram os militantres em comunicado, afirmando que a maioria dos mortos era "estrangeiros usbeques".

Não foi possível verificar de forma independente o número de mortos.

O Movimento Islâmico do Usbequistão, grupo composto em sua maioria por militantes de etnia usbeque, assumiu a responsabilidade pelo ataque de 8 de junho contra o Aeroporto Internacional Jinnah, em Karachi, que deixou pelo menos 35 mortos. O grupo trabalha em conjunto com o Taleban paquistanês e com a Al-Qaeda e está sediado nas regiões tribais do noroeste do país.

Um ataque com aviões teleguiados (também chamados de drones) dos Estados Unidos na mesma região no dia 11 de junho, o primeiro em quase seis meses, matou quatro militantes usbeques, segundo funcionários da inteligência paquistanesa.

Autoridades militares paquistanesas disseram que há relatos de que Abu Abdul Rehman Almaani, que teria sido o mentor do ataque ao aeroporto de Karachi, foi morto no ataque deste domingo.

Alguns militantes do Movimento Islâmico do Leste Turcomeno, grupo formado principalmente por militantes uigures com presença no Waziristão do Norte, também foram mortos, afirmaram as fontes. Autoridades chineses disseram que o grupo turcomeno é próximo à Al-Qaeda e o responsabiliza pela onda de ataques militantes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.