Ataque mata secretário do Conselho de Segurança da Ossétia do Sul

O secretário do Conselho de Segurança da Ossétia do Sul, Oleg Alborov, foi assassinado neste domingo em um atentado, em Tskhinvali, capital da república separatista georgiana. O general Mikhail Mindzaev, ministro do Interior da Ossétia do Sul, declarou à EFE que uma bomba explodiu às 7 horas da manhã (23 horas de sábado, em Brasília), quando Alborov abria a porta de sua garagem.Alborov, de 50 anos, exercia o cargo desde 2004 e morreu na hora, acrescentou a fonte. Por enquanto, não há detidos, mas supõe-se que a bomba tenha sido colocada por sabotadores georgianos que, desta forma, começaram a caça aos dirigentes do Governo da Ossétia do Sul, segundo explicou Mindzaev.O ministro acusou Tbilisi de tentar desestabilizar a situação na Ossétia do Sul antes que o Parlamento georgiano adote, em 13 ou 14 de julho, uma decisão sobre a retirada das tropas russas de intermediação. "A Geórgia pretende criar tensões às vésperas das eleições presidenciais que serão realizadas no segundo semestre deste ano na Ossétia do Sul", denunciou.O presidente da Ossétia do Sul, Alexandr Kokoiti, advertiu há poucos dias que a Geórgia poderia cometer atos de sabotagem na véspera da cúpula do G8 em São Petersburgo.Já o presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, se reuniu na semana passada com o presidente norte-americano, George W. Bush, para colocar sobre a mesa do G8 o tema da solução dos conflitos separatistas da Abkhazia e da Ossétia do Sul.O ministro de Solução de Conflitos georgiano, Guiorgui Jaindrava, negou que a Geórgia esteja relacionada de alguma forma com a morte de Alborov, que "simpatizava com o país".O conflito entre os habitantes da Ossétia do Sul e os da Geórgia se arrasta desde 1990, quando a Ossétia do Sul, então região autônoma da Geórgia, proclamou sua independência e declarou seu objetivo de se integrar à república russa da Ossétia do Norte, com quem compartilha raízes étnicas e culturais.Atualmente, forças georgianas controlam quase 40% do território da Ossétia do Sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.