Ataque militar não é solução para o Iraque, diz Alemanha

O vice-ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Ludger Volmer, disse nesta segunda-feira ser contra um ataque militar contra o Iraque, dizendo que não há evidência capaz de justificar um ataque.Durante o fim de semana, o senador norte-americano John McCain disse, durante uma conferência em Munique, que "um terrorista reside em Bagdá", e argumentou que "a próxima frente é aparente e não devemos nos esquivar de reconhecê-la"."Nós, europeus, alertamos para que isto não ocorra", disse Volmer em entrevista à tevê ZDF. "Não há nenhuma indicação, nenhuma evidência de que o Iraque esteja envolvido no terrorismo do qual falamos durante os últimos meses."Volmer acrescentou que "os Estados Unidos possuem velhos problemas para resolver com o Iraque" e acrescentou que "este argumento do terror não pode ser usado para legitimar antigas inimizades".Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, classificou Irã, Iraque e Coréia do Norte como componentes de um "eixo do mal" que estaria desenvolvendo armas de destruição em massa.O Iraque recusa-se, desde 1998, a permitir que inspetores ligados à Organização das Nações Unidas (ONU) chequem se o governo liderado pelo presidente Saddam Hussein desmantelou tais armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.