Ataque na Rússia teve marca de insurgentes do Cáucaso

A polícia russa divulgou hoje o retrato falado de um homem que pode estar envolvido no ataque a bomba ao trem Moscou-São Petersburgo, que matou 26 pessoas. Um funcionário da ferrovia sugeriu que o atentado tem a marca do terrorismo praticado por insurgentes do Norte do Cáucaso.

AE-AP, Agencia Estado

30 Novembro 2009 | 16h23

As autoridades disseram na sexta-feira que o descarrilamento do trem foi provocado por uma bomba enterrada sob os trilhos. A explosão abriu um buraco de 1,5 metro de profundidade e provocou o descarrilamento dos últimos três dos 14 vagões do expresso Nevsky. Uma segundo explosão foi detonada nos trilhos no sábado, enquanto trabalhadores da ferrovia limpavam o local dos escombros.

O terrorismo é uma grande preocupação na Rússia desde o colapso da União Soviética em 1991, quando os insurgentes chechenos começaram a enfrentar as forças do governo russo em duas guerras. Separatistas islâmicos continuam a ter no alvo as forças e funcionários de segurança.

Um funcionário graduado da ferrovia sugeriu que militantes do Norte do Cáucaso devem estar por trás do ataque, porque as explosões trazem uma marca dos insurgentes. "A segunda explosão, que aconteceu algumas horas mais tarde, faz parte do chamado método de duas explosões, que é conduzido por grupos de sabotagem do Norte do Cáucaso", disse o vice-presidente da Russian Railways, Alexander Bobreshov. Muitos policiais da região foram mortos quando chegaram ao local de uma primeira explosão, atingidos por uma segunda bomba. O serviço de trem entre Moscou e São Petersburgo é muito popular entre executivos russos e funcionários do governo.

A ministra da Saúde, Tatyana Golikova, disse hoje que uma mulher ferida no descarrilamento morreu na noite de domingo numa clínica em Moscou, elevando a 26 o total de mortos no ataque, informaram as agências de notícias russas. Dezenas de pessoas ainda estão internadas.

Nenhum suspeito foi identificado, mas a polícia liberou hoje o retrato falado de um homem de aproximadamente 40 anos e com cabelos ruivos.

Mais conteúdo sobre:
Rússia trem terrorismo Cáucaso

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.